EUA ou Rússia: quem colonizará a Lua primeiro?

No dia 28 de Novembro, a agência espacial russa, a Roscosmos, anunciou que prevê instalar uma colónia lunar até 2040. No dia seguinte, foi a vez da NASA fazer o mesmo anúncio mas com outra previsão: colonizar a Lua até 2030.

Foto de NASA via Flickr

O único sinal humano que deixámos na Lua foi uma bandeira norte-americana aquando da primeira e única vez que o Homem pisou aquele satélite. Agora, EUA e Rússia querem agora colonizar a Lua, mas impõem-se uma pergunta: quem chegará lá primeiro?

No dia 28 de Novembro, a agência espacial russa, a Roscosmos, anunciou que prevê instalar uma colónia lunar até 2040. No dia seguinte, foi a vez da NASA, a agência norte-americana, fazer o mesmo anúncio mas com outra previsão: colonizar a Lua até 2030, ou seja, dentro de uma década.

O comunicado da Roscosmos refere que “a implementação do programa lunar será realizada em várias etapas até 2040”, apostando nas “regiões únicas [na Lua] com condições favoráveis para a construção de bases lunares” e que já foram identificadas via satélite. Se tudo correr como previsto, a Rússia irá lançar uma estação espacial na órbita da Lua, promover uma missão tripulada até à superfície do satélite natural da Terra e, por fim, construir uma base permanente.

Já a NASA, através do seu administrador, Jim Bridenstine, desvendou ao The Hill que a agência espacial norte-americana já está a construir uma estação espacial para orbitar à volta da Lua: “Chamamos-lhe ‘Gateway’”, referiu. “Pensem nela como um módulo reutilizável de comando onde podemos ter presença humana na órbita à volta da Lua. A partir daí queremos usar naves reutilizáveis que vão e voltam à superfície lunar.”

“Achamos que conseguimos alcançar isto dentro de 10 anos, a ideia é provar a capacidade, reduzir o risco e testar a fisiologia humana, e depois ir para Marte”, acrescentou Jim Bridenstine.

Enquanto que a colonização de Marte pode ser vista como uma nova extensão geográfica da Humanidade, a da Lua terá o propósito de explorar os recursos naturais daquele satélite.