Excesso de marketing ou falta de noção: Kevin Spacey voltou

Num vídeo em que interpreta a personagem Frank Underwood, o actor parece comentar indirectamente as acusações de assédio de que tem sido alvo.

Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

“Tiveram saudades minhas?”. Foi assim que Kevin Spacey se despediu no vídeo que tem dado que falar nas redes sociais nos últimos dias. Primeiro, porque o actor que enfrenta várias acusações de assédio sexual não surgia na web há mais de um ano, depois, porque voltou a fazê-lo no dia em que soube que será acusado formalmente de agressão sexual a um jovem de 18 anos, e por último, porque o fez com contornos no mínimo intrigantes.

O vídeo que publicou chama-se “Let Me Be Frank”, numa brincadeira entre a palavra “franco” e o nome da personagem que interpretava na série House of Cards da Netflix e da qual acabou por ser despedido depois de os escândalos de assédio sexual terem ficado conhecidos. Nele, o actor de 59 anos interpreta a personagem, que parece estar numa cozinha a preparar a ceia de Natal; a vida real vai-se misturando com a da série quando, durante o seu discurso dúbio e pouco concreto, a personagem vai fazendo vários comentários que parecem mais dirigidos à situação de Spacey, que à de Underwood.

O guião do vídeo aparenta ter dois focos, o facto da personagem que interpretava na série ter morrido de forma abrupta (para justificar a saída do actor); e todas as críticas de que foi alvo depois das notícias que o envolviam em casos de assédio.

No tom irónico-autoritário que reconhecemos a Frank Underwood, o actor assume um discurso  híbrido, que convida à interpretação de cada espectador.

“Eu sei o que é que vocês querem. Eles tentaram separar-nos mas aquilo que nós temos é demasiado forte, demasiado poderoso. Afinal, partilhámos tudo, eu e vocês. Eu contei-vos os meus segredos mais profundos e mais obscuros. Mostrei-vos exatamente aquilo de que as pessoas são capazes. Choquei-vos com a minha honestidade. Acima de tudo, desafiei-vos e fiz-vos pensar. E vocês confiaram em mim, ainda que soubessem que não o deviam fazer. Por isso nós não acabámos, digam o que disserem. E, além disso, eu sei o que vocês querem. Vocês querem-me de volta. Alguns acreditaram em tudo e estão só à espera, com a respiração calma, de ouvir uma confissão (…) Estão a morrer para me ouvir declarar que é tudo verdade e que tive o que merecia. Não era tão fácil? Se tudo fosse assim tão simples. Só que eu e vocês sabemos que nunca é assim tão simples, nem na política, nem na vida. Mas vocês não acreditariam no pior sem provas, pois não? Não saltariam para julgamentos sem factos, pois não? Fizeram-no? Não, vocês não. Vocês são mais inteligentes do que isso.”

Se és (ou foste) fã de House of Cards já estás habituado a este género de discurso, mas se já no contexto da série os monólogos de Frank Underwood eram assustadores, fora dele todo este vídeo de regresso à ribalta é uma sucessão de tiros ao lado.

A escolha da data de divulgação do vídeo não terá sido um mero acaso, e até isso demonstra que, mesmo que o actor e os seus representantes o tentem negar, isto terá mesmo sido uma acção de Relações Públicas com foco nas acusações que enfrenta, um vídeo de resposta. É que a publicação foi feita no dia em que Spacey soube que foi formalmente acusado de agressão sexual a um jovem de 18 anos, no Estado do Massachusetts. O actor vai ser formalmente acusado dos crimes de agressão sexual e ofensas corporais pelos procuradores locais de Cape Cod and the Islands, no estado do Massachusetts. Deverá comparecer perante um juiz no dia 7 de Janeiro a tribunal para responder às acusações.

A sua última publicação numa rede social tinha sido há mais de um ano, em resposta ao caso de Anthony Rapp, o primeiro jovem a acusá-lo de assédio sexual, a 30 de Outubro de 2017, quando emitiu um comunicado onde lhe pedia desculpa e revelava pela primeira vez que era homossexual.

O vídeo tem deixado toda a comunidade web incrédula e já motivou críticas de outros actores que o consideraram bizarro. Jon Favreau, Patricia Arquette e a sua irmã Rosanna Arquette, Ellen Barkin, Rob Lowe ou Alyssa Milano foram alguns dos nomes que questionaram a acção do actor e a decisão da sua equipa.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.