Ornatos Violeta regressam com concertos em Lisboa, Porto e Faro

Manel Cruz, Nuno Prata, Peixe, Kinörm e Elísio Donas vão voltar a encontrar-se em três festivais: NOS Alive, MEO Marés Vivas e Festival F.

Foto de Adriana Oliveira/DR
 

Foi em 2012 que os Ornatos Violeta encherem o anfiteatro natural de Paredes de Coura e, mais tarde, os Coliseus do Porto e de Lisboa. Sete anos depois, e para comemorar duas décadas desde O Monstro Precisa de Amigos, a banda mítica de Manel Cruz volta aos concertos em três festivais portugueses.

NOS Alive (Lisboa), dia 11 de Julho. MEO Marés Vivas (Porto), dia 20 de Julho. Festival F (Faro), dia 6 de Setembro. São estas as três datas (para já?) anunciadas. Numa publicação no seu Facebook, a banda que se despediu mas nunca se despediu verdadeiramente fala num “curto regresso aos concertos, para a interpretação integral da sua obra seminal”.

Editado a 22 de Novembro de 1999, O Monstro Precisa de Amigos foi o segundo e último álbum de originais dos Ornatos Violeta, tendo superado as expectativas criadas pelo disco de estreia, Cão!. O disco confirmou o talento de Manel Cruz (voz), Nuno Prata (baixo), Peixe (guitarra), Kinörm (bateria) e Elísio Donas (teclados) na composição de canções intemporais que, ano após ano, continuam a ser descobertas, recuperadas ou interpretadas  pelas gerações mais novas. É o caso de “Capitão Romance” – que conta com o convidado especial Gordon Gano, dos Violent Femmes, uma das maiores referências dos Ornatos Violeta, a cantar em português –, “Chaga”, “Dia Mau” ou “Ouvi Dizer” — com a participação especial e inolvidável de Vítor Espadinha. Quatro verdadeiros tesouros do cancioneiro nacional.

Produzido por Mário Barreiros, O Monstro Precisa de Amigos foi o habitual “difícil segundo disco”, que acabaria por se revelar o magnum opus da banda, quer a nível comercial, atingindo a marca de Platina quer, sobretudo, na recepção pelos fãs e crítica especializada, com a Blitz a considerá-lo o terceiro Melhor Álbum Português editado nos anos 90 e um dos 25 melhores álbuns nacionais editados entre 1960 e 2000.

Formados no Porto em 1991, os Ornatos Violeta estiveram em actividade perto de uma década, durante a qual conquistaram o estatuto de banda de culto, graças aos dois álbuns editados e às suas intensas prestações em concerto.

Em 2002, anunciaram a separação, regressando em 2012 para a celebração dos 20 anos da sua formação, com oito concertos especiais. Em 2019 voltam, para comemorar mais um marco, porque, 20 anos depois, “O Monstro (ainda) Precisa de Amigos”.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.