“Eu escrevo”: o 180 Creative Camp na primeira pessoa

“Eu escrevo.” É assim que respondo. Acaba por ser uma resposta invulgar, no meio de tantos designers, cineastas, fotógrafos e ilustradores. Porém, há uma coisa que nos une a quase todos: uma enorme vontade de auto-descoberta.

Foto de Francisca Barros
 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Conhecemos a Carolina Rodrigues alguns meses antes do 180 Creative Camp. Apesar de já ter o seu bilhete comprado, sentia-se um pouco nervosa mesmo antes de fazer as malas rumo a Abrantes. Carolina, como muitos outros, partilhava o medo de “não ser criativa o suficiente para o 180 Creative Camp”, mas a criatividade pode surgir de formas tão diferentes! E quem melhor para te contar sobre isso do que a própria Carolina. Lê a sua história sobre partilhar e ultrapassar este medo com outros participantes.

“Eu escrevo.” É assim que respondo a umas das perguntas mais feitas durante o 180 Creative Camp em Abrantes: “O que fazes?”. Acaba por ser uma resposta invulgar, no meio de tantos designers, cineastas, fotógrafos e ilustradores. Porém, há uma coisa que nos une a quase todos: uma enorme vontade de auto-descoberta. Quem somos? Para onde vamos?

Foto de Joana Lourenço

Foi com estas mesmas perguntas que Ioana Lupascu e Monika Bok se depararam. Ambas arquitectas de formação da Roménia e Polónia respectivamente, abandonaram os levantamentos em Autocad e maquetes em k-line e encontraram-se no 180 Creative Camp para descobrirem o que fazer a seguir. Porém, não é apenas aos participantes que toca a busca da identidade artística.

O ilustrador holandês, Jordy Van Den Nieuwendijk, partilhou durante a sua apresentação no Meet The Creators que se sentia “preso” dentro das suas próprias criações, chegando até mesmo a fazer um funeral para as mesmas, convidando família e amigos.

Mas também os locais tiveram a sua própria crise de criatividade. Joana, que foi participante durante o primeiro 180 Creative Camp em Abrantes, também não estava feliz com o seu trabalho na altura e decidiu demitir-se. “Quando és jovem e acabadinho de sair da faculdade, queres fazer algo de desafiante e o que eu estava a fazer não era. Estava farta daquilo e decidi parar”, disse durante a sua apresentação no “Meet the locals”.

Foto de Mariana Alvarez

Foi por essa altura que passou a estar à frente da velha drogaria do avô, dando-lhe um novo conceito e uma nova oferta de novos produtos portugueses, mantendo ainda os clássicos de qualquer drogaria portuguesa, como produtos de limpeza e sabão azul. Parece que as crises de criatividade tocam a todos.

“Eu estudei arquitectura durante seis anos apesar de todos esses anos desejar não o fazer e fazer outra coisa”, disse Ioana durante uma das nossas conversas. Por alguma razão, esta frase ficou-me na cabeça. A mesma coisa tinha acontecido com a Joana. Ela continuou a trabalhar durante dois anos antes de se demitir. A minha primeira reacção foi “Porquê?”. Porque fica alguém infeliz e decide (será que decide mesmo?) continuar no mesmo sítio que os faz ficar assim? Porque não mudar? Porque não mexer-se? Foi então que me apercebi que é preciso coragem para ter uma crise de criatividade.

Muitos nem se atrevem a ter tamanho desconforto e, às vezes, estar na situação desesperante de não fazer a mínima ideia do que fazer a seguir. Isto porque as pessoas, eu incluída, habituam-se ao conforto do desconforto porque não conhecem outra coisa. É seguro. Um trabalho garantido com um ordenado certinho ao fim do mês. O que se pode querer mais? Estará alguém disposto a deitar tudo a perder pelo sonho de se fazer o que se ama realmente? De ser verdadeiramente feliz? Não pode a felicidade ser encontrada noutro lado? Afinal, um emprego não é tudo na vida.

Foto de Florian Herzog

De facto, a maior parte das vezes, não é sobre um trabalho ou um ordenado ou sobre realização pessoal. É sobre arriscar verdadeiramente, coisa que muitos nem ousam. A canção de Miguel Araújo, “Valsa Redonda”, tem o que acho ser um lindo verso: “Duro vai ficando o coração de quem não quis dar-se à dor de ser feliz.”

Ser feliz é bastante exigente e muitos não estão dispostos a fazer essa busca. A busca de descobrir quem verdadeiramente são.

Todas as fotografias usadas para ilustrar este artigo foram tiradas pelos participantes do 180 Creative Camp Abrantes 2018 nas suas câmaras descartáveis.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.