Nasceu um arquivo digital para preservar a cultura cigana

O RomArchive pretende destacar a rica herança cultural dos ciganos, que é parte da cultura europeia apesar de muitas vezes ser ignorada.

Foto via RomArchive
 

A cultura cigana, rom, pode não ser uma manifestação mainstream, mas tem a sua essência e a sua importância – merece ser preservada, entendida, contemplada como todas as restantes expressões étnicas. É a isso que se propõe o RomArchive, um projecto iniciado há três anos e meio.

Depois de envolver 150 pessoas em 15 países e de juntar 5 mil itens da cultura cigana – entre fotos, textos, vídeos e áudios –, o RomArchive foi por fim lançado. Trata-se de um acervo digital que se propõe a preservar a cultura cigana, apresentando uma narrativa contada pelos próprios integrantes da comunidade, marcada por um misto de fascínio e desdém.

Não se sabe muito sobre a origem dos povos ciganos, mas acredita-se que tenham surgido na Índia e migrado, por motivo desconhecido, para a Europa, por onde se espalharam. A história cigana é uma história de escravidão, discriminação e perseguição com séculos e séculos de sofrimento; aliás, crê-se que os ciganos tenham sido vítimas de trabalhos forçados desde meados do século 14 até ao século XX. Actualmente estima-se que existam entre 12 e 14 milhões de ciganos espalhados pelo mundo, sendo que cerca de 4 milhões falam romani, o dialeto oficial do povo e para a UNESCO uma das línguas em risco de extinção.

O RomArchive

O material reunido neste RomArchive encontra-se separado em secções como dança, filmes, flamenco, literatura, música, teatro e drama, artes visuais, fotografia, movimento pelos direitos civis Romani e holocausto (“Vozes das Vítimas”). A curadoria do acervo coube a 14 pessoas de nove países diferentes, conforme conta o jornal brasileiro Nexo.

O RomArchive pretende destacar a rica herança cultural dos ciganos, que é parte da cultura europeia apesar de muitas vezes ser ignorada. O projecto – disponível em inglês, alemão e romani – está a ser financiado e apoiado por diversas instituições alemãs, como a Fundação Cultural Federal da Alemanha que disponibilizou 3,75 milhões de euros, a Agência Federal pela Educação Cívica da Alemanha e o Instituto Goethe. O apoio alemão é historicamente significativo, uma vez que o genocídio cometido pelos nazis contra os sinti e os roma, dois dos principais grupos ciganos, foi responsável pela morte de cerca de 500 mil pessoas.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.