Rússia planeia desligar-se da internet em jeito de experiência

Com a introdução do Programa Nacional para a Economia Digital, as autoridades russas estabeleceram um pacto com os principais fornecedores de internet no sentido de prepararem a internet do país para funcionar desligada do resto do mundo.

Foto de Vadim Preslitsky via Google Photos

Novos tempos e novas ameaças implicam novos métodos de segurança ou defesa. Com a crescente proliferação dos crimes online e a consolidação da permanente ciberguerra é para lá que se viram atenções. Da Rússia chega a notícia de que uma dessas medidas vai agora ser testada em jeito de simulacro. Trata-se de nada mais nada menos que um corte por completo entre o universo online russo e o do resto do mundo, para testar a independência do primeiro.

A experiência resulta de uma ideia que vem desde o ano passado. Com a introdução do Programa Nacional para a Economia Digital, as autoridades russas estabeleceram um pacto com os principais fornecedores de internet no sentido de prepararem a internet do país para funcionar desligada do resto do mundo. Assim, quando accionado o plano, os fornecedores de internet têm de passar a redireccionar as ligações restringindo-as ao circuito fechado russ, baseado apenas no que está alojado ou copiado para servidores intra-nacionais.

Esta primeira experiência servirá para perceber se tecnicamente o país está pronto para tomar a medida caso seja necessário, bem como para as autoridades fazerem uma monitorização de eventuais fugas neste circuito fechado que se pretende criar; todo o tráfego deverá ser redireccionado para servidores previamente aprovados pelo watchdog das telecomunicações russo, Roskomnazor. Sem que haja um dia marcado e anunciado para o teste, calcula-se que deva decorrer antes do dia 1 de Abril, dia em que os deputados devem apresentar as propostas legislativas finais sobre o Programa Nacional para a Economia Digital.

Se por um lado esta medida se apresenta como uma defensiva, no ambiente de ciberguerra, num país com o historial recente como o que conhecemos na Rússia as aplicações podem ser diversas e virar-se contra os próprios cidadãos em momentos extremos. Ainda no ano 2018 presenciámos perseguição das autoridades russas ao Telegram, algo que com métodos extremos como este que é proposto podia ser solucionado muito mais rapidamente. Ao cortar a comunicação entre a internet russa e o restante mundo online, as autoridades russas podem controlar de forma muito mais efectiva a informação que circula e por onde os internautas circulam.