Todos podem votar em ideias para a Europa durante esta semana

A iniciativa WeEuropeans iniciou a sua atuação no mês passado através do mundo digital e quer chegar ao maior número de cidadãos europeus.

É necessário entrar numa “dieta de plástico”, proibir artigos descartáveis e utilizar materiais biodegradáveis? É necessário harmonizar as regras e os sinais de trânsito em toda a União Europeia? É necessário que os Estados-Membros da UE se respeitem mutuamente e que cada um deles tenha direito à sua autodeterminação? A União Europeia quer saber o que pensas acerca destes e muitos mais temas. E o prazo está a terminar.

A iniciativa WeEuropeans começou no mês passado e pela via digital quer chegar ao maior número de cidadãos europeus possível. O objetivo é perceber a opinião das pessoas sobre as políticas da União e a sua forma de atuar. O novo projeto foi criado em parceria com o site Make.org e a associação cívica e transnacional Civico Europa.

A WeEuropeans é uma campanha cívica, democrática e não partidária. Reúne os cidadãos europeus, independentemente das suas opiniões, propondo-lhes participar na maior consulta pública europeia alguma vez realizada”, pode ler-se na página de apresentação do site da WeEuropeans.

Como reinventar a Europa de forma concreta” é o mote do novo projeto que conta com várias fases. Num primeiro momento, os cidadãos dos vários países da União Europeia foram convidados a formular as suas ideias e votar nas propostas apresentadas por outros. Depois, as dez ideias mais votadas de cada país foram traduzidas para as línguas oficiais dos Estados-membros. Desde 8 de março, e até sexta-feira, 15, os cidadãos votarão nas 270 ideias ao mesmo tempo. Daqui, sairão as dez que formarão a Agenda do Cidadão. Nos meses seguintes, os atores políticos ficarão a conhecê-las e serão confrontados com as propostas para reinventar a Europa.

Até agora, o projeto chegou a 34 milhões de cidadãos na forma de 30 mil propostas, angariando mais de 9 milhões de votos. Em Portugal, a proposta mais votada propõe que os fundos entregues aos países sejam mais controlados. Outras propostas sugerem que os políticos sejam criminalmente responsáveis pelas decisões que tomam em nome do povo, que haja mais combate à corrupção e que as vítimas de violência doméstica sejam mais protegidas.

Em cada pergunta, os participantes são convidados a responder se concordam, discordam ou se não têm opinião sobre o tema. No dia 22 deste mês, as ideias serão apresentadas ao Parlamento Europeu. Pede-se, até lá, que o maior número de cidadãos colabore e torne as suas preocupações num debate público aberto a toda a comunidade europeia.