Milhares nas ruas de Moscovo contra o fim da internet livre

Um pouco por todo o globo, uma das tendências dos últimos anos tem sido a aplicação de políticas ao até aqui anárquico mundo online.

Foto de Vadim Preslitsky/DR

Usamos a internet com tanta frequência e tanta facilidade que a tomamos por garantida; a verdade é que a conectividade global como hoje conhecemos é um fenómeno recente e está constante mudança, mesmo que não nos apercebamos dela. Um pouco por todo o globo, uma das tendências dos últimos anos tem sido a aplicação de políticas ao até aqui anárquico mundo online.

Nos EUA, a neutralidade da net, na Europa os polémicos Artigos 11 e 13, e na Rússia a possibilidade de cortar a ligação ao resto do mundo são alguns exemplos das intenções expressas por políticos e governos que ameaçam a normalidade da internet. Em resposta a tudo isto, as manifestações têm sido cada vez mais frequentes, tal como vai acontecer em várias cidades europeias e tal como aconteceu neste dia 10 de Março em várias cidades russas.

Rússia planeia desligar-se da internet em jeito de experiência

Juntos, em reacção às últimas notícias que dão conta dos planos do governo russo de ter uma via para cortar o acesso à internet global em caso de ameaça, milhares de russos saíram às ruas voltando a mostrar o seu descontentamento pela ingerência da lei na rede. “Mãos fora da internet” foi um dos slogans que voltou a fazer-se ouvir, numa iniciativa com alguns precedentes; recorde-se que durante o ano passado milhares de internautas russos se manifestaram contra o bloqueio do Telegram e de outros servidores a que este estava conectado.

Para além do corte entre a internet russa e a internet global, os manifestantes opõem-se também a uma lei recém aprovada no parlamento que permite aos tribunais multar quem fizer publicações consideradas “indecentes ou insultuosas” sobre políticos ou membros do governo.

Segundo a imprensa local, esta manifestação foi uma das maiores da última década. revelando a tranversalidade de uma causa como a liberdade na internet.  Do local chegam-nos registos obtidos pelo fotojornalista Vadim Preslitsky, que já colaborara com o Shifter anteriormente e que nos permitem ter uma ideia realista do que se passou: gente de todas as idades, de vários estilos e com diversas mensagens protestando contra as restrições às liberdades online que possam estar para breve.

Voltando ao ponto contextual, e em que referíamos que estes sintomas se têm feito sentir um pouco por todo o mundo, importa relembrar que para o território europeu está marcada uma manifestação contra os Artigos 11 e 13 em vários países e cidades em simultâneo.

Fotos de Vadim Preslitsk/DR