Pixels Camp, o maior hackathon tecnológico português, está de volta já este mês

Da arte de abrir uma fechadura à origem das hashtags. Maior hackathon tecnológico português decorre de 21 a 23 de Março no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa. A entrada é gratuita.

Foto de Mário Rui André/Shifter

O que é que abrir fechaduras sem chave tem a ver com cibersegurança? A resposta será dada por Walter Belger, numa das talks da 3ª edição do Pixels Camp, o maior hackathon tecnológico português. De entrada gratuita, o Pixels Camp contará com a presença de convidados de renome como Chris Messina, criador das hashtags do Twitter, o director de tecnologia da Cloudflare, John Graham-Cumming, além de vários programadores e entusiastas de tecnologia que se candidataram e conseguiram um lugar no palco do Pixels Camp.

Como o evento é em primeiro lugar um hackathon, serão desenvolvidos novos projectos tecnológico durante um fim-de-semana preenchido e agitado. Numa série de mesas, distribuídas pelo Pavilhão Carlos Lopes, mais de 1000 pessoas estarão durante três dias ininterruptamente a pensar, desenhar e programar. Podem fazer pausas para assistir às palestras e workshops que irão decorrer em simultâneo, ou visitar as bancas das empresas de tecnologia que marcarão presença no evento; têm café, bebida e comida oferecidas pelos patrocinadores e no final deverão apresentar uma proposta em resposta ao desafio apresentado.

Além de encorajar os parceiros e participantes a desafiar os limites da criatividade e tecnologia, também o próprio Pixels Camp ambiciona estar na linha da frente, puxando por temas emergentes para a agenda. Por exemplo, em 2017, a Bright Pixel lançou um sistema de votação dos projectos da hackathon baseado em tecnologia blockchain.

“O nosso objectivo é colocar o evento e todos os parceiros envolvidos em contacto com o melhor e mais criativo talento tecnológico, na vanguarda da inovação e desafiar os participantes a aprenderem mais, a partilharem o seu conhecimento e a usarem as suas capacidades para resolverem os seus desafios e quem sabe, darem início a uma nova aventura”, explica em comunicado Celso Martinho, director e co-fundador da Bright Pixel, empresa que organiza o evento e que se propõe a ajudar outros negócios no seu crescimento e desenvolvimento.

Três grandes palestras, gratuitas

O Pixels Camp, que se destina a profissionais, freelancers e jovens estudantes universitários, vai contar com três grandes palestras: Walter Belger, Chris Messina e John Graham-Cumming.

Especialista em segurança, Walter Belgers acredita que é mais fácil explicar as falhas de segurança de softwares através de métodos pouco tradicionais de abertura de portas. Com soluções para todo o tipo de situações, o presidente da Organização Aberta de Arrombadores de Fechaduras (The Open Organisation of Lockpickers) irá demonstrar como até o engenho mais sofisticado pode ser invadido.

O não actor Chris Messina é a segunda confirmação do maior hackathon em Portugal. Conhecido mundialmente como o inventor das hashtags do Twitter, tem um superpoder que o distingue dos comuns mortais: desenvolver iniciativas antes mesmo das pessoas se aperceberem da sua necessidade. Co-organizou a comunidade que lançou o Firefox, criou o Google Developers e abriu alguns dos primeiros espaços de co-working no mundo. Em 2019, Chris Messina voará para o palco do Pixels Camp para uma palestra sobre tecnologias de código aberto.

Por fim, directamente da Cloudflare, uma das empresas de cloud com maior crescimento, John Graham-Cumming irá protagonizar uma palestra sobre tecnologia. Graham-Cumming é o homem por detrás do Plan 28, a reinvenção do engenho analítico que Charles Babbage tentou criar no século XIX sem sucesso — ainda que tenha sido considerado uma das maiores invenções sen nunca ter existido. Graham-Cumming é ainda reconhecido no Reino Unido pela petição que pretendia que as entidades governamentais pedissem desculpa pela perseguição a Alan Turing, pelo livro de viagens The Geek Atlas e pelo livro técnico GNU Make Unleashed.

Foto de Mário Rui André/Shifter

Insert Coin Live: um concurso paralelo

O Pixels Camp irá decorrer de 21 a 23 de Março, no Pavilhão Carlos Lopes. O evento é de entrada gratuita sendo que é necessária inscrição no site, com uma conta GitHub. Paralelamente ao Pixels Camp, decorrerá esta ano o concurso Insert Coin Live, destinado a empreendedores nas áreas de retalho, cibersegurança, telecomunicações e tecnologias emergentes e que terá como prémio monetário mil euros e mais 30 mil euros em serviços.

As candidaturas já fecharam e os candidatos – individuais ou em equipa – já tiveram de enviar uma apresentação ao júri, que terá agora de as avaliar juntamente com os pitches que serão feitos durante o Pixels Camp. A Bright Pixel procura sobretudo ideias de negócio que sejam dirigidas a empresas (B2B); o vencedor do concurso irá estar a trabalhar com a empresa organizadora que ajudará com o desenvolvimento tecnológico e design, a construção da equipa, questões jurídicas ou de comunicação, mentoria de investidores, entre outros serviços.