Depois de Oxnard, a nova (a)Ventura de Anderson .Paak

Anderson .Paak volta a dar cartas com novo albúm num registo mais sólido.

 

São cinco, e apenas cinco, os meses que separam o extraordinário Oxnard do mais recente álbum de Anderson .Paak, Ventura. Tudo começou em Novembro do ano passado, quando o produtor, rapper, cantor e compositor norte-americano nos deu Oxnard, num regresso há muito aguardado desde os tempos de Malibu, aquele que é considerado por muitos o melhor álbum de .Paak.

Oxnard

Oxnard ficou marcado por grandes colaborações, a estreia de Anderson .Paak na Aftermath Entertainment (a editora de Dr. Dre) e uma energia contagiante presente em cada faixa deste álbum. A produção é tudo aquilo que se espera de Anderson .Paak: sonoridades de Funk, Soul, hip hop contemporâneo e R&B, versos recheados de um cariz humorístico e a habitual energia impactante de .Paak, que desta vez contou com a ajuda de Dr. Dre na produção — a “cereja no topo do bolo”. Pusha T, Snoop Dogg, Kendrick Lamar e BJ The Chicago Kid foram algumas das colaborações que marcaram o álbum outro ânimo, com flows exuberantes, melodias que fazem lembrar a era do G-Funk e ritmos groove inseridos em mensagens políticas e sociais. Quem melhor do que Anderson .Paak para nos fazer dançar e cantar efusivamente enquanto nos lembra de temas como a fé, o consumo de drogas, violência armada nas escolas ou até o caso de uma filha fora do casamento que Trump terá tido com uma antiga empregada doméstica.

Uma coisa é certa, com .Paak ganhamos sempre aquela sensação de que a vida merece ser celebrada e deve ser feita “having fun no matter what” , algo que se sente na produção colorida, cinematográfica e vintage, nas letras que ficam no ouvido, nas suas performances ao vivo e na capacidade de nos surpreender a cada momento. Já demonstrou que talento não lhe falta e quem esteve presente na última edição do SBSR pôde comprovar isso, num concerto que quase fez esquecer que o cabeça-de-cartaz era Travis Scott.

A capa de Oxnard

Ventura

Após Oxnard, seguiu-se uma nova (a)ventura. 12 de Abril de 2019 marcou a estreia do quarto álbum de Anderson .Paak, Ventura. O título segue o tema dos álbuns anteriores e leva-nos até à Costa da Califórnia. Ventura é mais uma vez alusivo a uma região do estado norte-americano pertencente a Los Angeles e traz consigo uma sonoridade predominantemente soul.

Trata-se de um álbum consistente, de entretenimento mas que peca por melhorias nalguns aspetos. Ao ouvirmos este álbum notamos que algumas músicas se destacam em relação a outras e a forma como estão colocadas faz com que as transições pareçam estranhas e fora de contexto. Embora na música “Reachin’ 2 Much”, que conta com a participação de Lalah Hathaway e os seus malucos ‘Sa-da-da, da-do-na-da-da-da-dow…’ tenhamos uma sonoridade que nos faz descontrair e apreciar o momento, a mesma acaba por transitar de forma “desconfortável” para a seguinte; em “Winners Circle”, .Paak dá a conhecer as suas perspetivas acerca do sexo feminino e consegue criar um tópico longo acerca disso, tão longo que nem nos apercebemos que de repente já estamos sintonizados na música “Good Hells“, com a participação de Jazmine Sullivan.

Este disco é feito de vários momentos de puro constrangimento, entre eles a música “Chosen One”, que acaba por ser uma montanha-russa onde sentimos os vocals de Anderson .Paak e Sonyae Elise como os momentos altos, mas depois n deparamos com um instrumental que parece estar “desorganizado” e pouco apelativo ao ouvinte. Na música “Twilight”, provavelmente a menos conseguida do álbum, notamos que nem sempre Pharell Williams consegue criar um bom beat e esta música é a prova disso, instrumental facilmente esquecido que faz com que .Paak soe aborrecido num instrumental também ele aborrecido e repetitivo.

Contudo, este álbum é feito de highlights que de certa forma “escondem” algumas das faixas menos surpreendentes que aqui falámos. “Come Home” é uma delas, com sonoridade vintage, acordes de piano “glamorosos”, a presença de um coro de soul que dá umas notas particularmente interessantes e algumas vibes de Oxnard, é um grande começo para o álbum e conta com a participação de Andre 3000 com uma entrega incrível. Na música “King James” temos uma homenagem a Lebron James, jogador da NBA que, devido ao seu sucesso e popularidade tem sido visto como um líder na ajuda à comunidade negra vítima da conhecida opressão que se vive na América. .Paak mostra gratidão por Lebron James e procura louvar este esforço numa tentativa de atrair mais membros para a comunidade. “Jet Black” é outro momento alto; Anderson entra com um bom refrão, mistura de R&B e boa química com uma presença que já não apresentava material novo há mais de 6 anos, falo da cantora Brandy.

A capa de Ventura

O álbum termina assim com uma homenagem a Nate Dogg, rapper, cantor, compositor e ator americano, um dos ícones do hip hop dos anos 90 e que infelizmente morreu a 15 de Março de 2011. Apesar da sua morte, nesta música quase que parece que Nate Dogg está vivo e a colaborar com .Paak no estúdio, dada a forte presença do mesmo na música com refrão e versos que quase dariam para Nate ter uma música completa sem a presença de .Paak.

What can we do? (Yeah, what can we do?)
What can we do? (What can we do, baby?)”

Dada a forte influência de Nate Dogg na sonoridade de Anderson .Paak, esta música acaba por ser “o melhor dos dois mundos” e dá um excelente final ao álbum; percebe-se que dada a importância de Nate Dogg, Anderson .Paak teve especial atenção e cuidado para criar esta música e atingir a perfeição. Cuidado esse que não foi tão percetível no resto do álbum mas que contribuiu para solidificar mais uma vez o legado de Anderson .Paak e provar que, embora Ventura não seja tão surpreendente e criativo como Oxnard, veio para ficar e provar que com o passar do tempo será um clássico do hip hop contemporâneo.

Texto de Bernardo Alves

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.