As stories de Eva Heyman, uma jovem judia durante a II Guerra Mundial

Apoiados no diário que a jovem escreveu, um empresário e a sua filha, israelitas, Matti Kochavi e Maya, reencenaram a trajetória de Eva levando um telemóvel e uma conta do Instagram até ao século XX.

 

Eva Heyman foi uma jovem judia de 13 anos que, em 1944, em plena Segunda Guerra Mundial, foi enviada para o campo de concentração de Auschwitz, na Polónia. Apoiados no diário que a jovem escreveu, um empresário e a sua filha, israelitas, Matti Kochavi e Maya, reencenaram a trajetória de Eva levando um telemóvel e uma conta do Instagram até ao século XX.

A história de vida de Eva retratada agora na função das histórias da rede social inicia-se em fevereiro, por altura do seu 13º aniversário, quando começou a escrever o diário, e prolonga-se até junho. Num primeiro momento, Eva utiliza o seu telemóvel para documentar a sua vida com os avós e amigos em casa e na escola. Ao longo dos dias, a jovem vai mostrando a alastramento do nazismo na Europa e o receio que chegue à Hungria.

A produção chegou à internet em forma de 70 instastories, com dezenas de figurantes e com cenários e roupas que retratam o estado da Europa durante a Segunda Guerra Mundial. A conta foi ativada no 2 de Maio, e a história verídica de Eva conta já com mais de um milhão e meio de seguidores.

A história termina em junho, quando a jovem e a sua família foram encaminhadas para Auschwitz. Segundo o diário, Eva acabou por ser assassinada em outubro desse ano. O seu sonho era tornar-se fotojornalista, tendo sido esse um dos objetivos desta iniciativa. “Eva, esperamos que através deste projeto tenhamos tornado o teu sonho em realidade”, pode ler-se num dos instastories finais.

A ideia era fazer chegar o tema do Holocausto aos mais jovens, um público frequente nas redes sociais. No entanto, segundo o The New York Times, “uma tempestade de críticas surgiu em Israel sobre o uso da chamada cultura da selfie e da sua linguagem visual – repleta de hashtags, stickers e emojis – para tentar transmitir os horrores do Holocausto, no qual seis milhões de judeus foram assassinados”.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.