IndieLisboa arranca hoje com Snoop Dogg, Zac Efron e Matthew McConaughey, dirigidos por Korine

Festival de cinema de Lisboa realiza-se de 2 a 12 de Maio.

Mais de 270 filmes, um par de dezenas de actividades paralelas e uma semana de festas são estes os ingredientes para a décima-sexta edição do IndieLisboa. O festival internacional de cinema está de regresso à capital entre esta quinta, dia 2, e 12 de Maio no Cinema São Jorge, Culturgest, Cinemateca Portuguesa e Cinema Ideal.

O IndieLisboa 2019 apresenta 53 filmes portugueses, todos em estreia nacional. A produção nacional surge enquadrada numa programação eclética e muito rica, que mistura o cinema enquanto resposta à actualidade como é o caso do ciclo focado no cinema brasileiro e enquanto arte intemporal como no ciclo de restrospectiva sobre Anna Karina, a musa da Nouvelle Vague francesa que passará por Portugal.

Para a sessão de abertura está marcada uma das estreias mais aguardadas. No dia 2 de Maio, às 21h30, no Cinema São Jorge estreará em solo nacional o mais recente trabalho do realizador de culto Harmony Korine (Kids, Gummo, Spring Breakers), que junta Matthew McConaughey, Snoop Dogg e Zac Efron. The Beach Bum é uma comédia stoner que conta a história de Moondog, um escritor milionário viciado em canábis e rum que, como descreve a nota de imprensa deambula entre um The Dude (Big Lebowski) e o escritor da vida real Charles Bukowski.

A programação do IndieLisboa é vasta e para todo o tipo de apreciador de cinema. Na secção Silvestre, o foco vai para uma das duplas que mais tem entusiasmado imprensa e público no último ano, Caroline Poggi & Jonathan Vinel, com retrospectiva integral de todas as suas curtas, a estreia da sua primeira longa Jessica Forevere uma performance em ambiente gammer, completamente imprevisível (6 de Maio, Carpintarias de São Lázaro, 21h30). Ainda na secção Silvestre o novo olhar de Jafar Parhadi sobre a cultura iraniana em 3 Faces, o regresso de Lee Chang-dong ao grande ecrã com a adaptação de um conto de Haruki Murakami, de Burning; a filmografia de Mike Leigh, um dos mais consagrados cineastas britânicos da actualidade, em Peterloo Ich war zuhause, aber,de Angela Shanelec, vencedor do Urso de Prata no Festival de Berlim.

O ciclo de homenagem a Anna Karina mostrará uma selecção dos mais importantes filmes da musa da Nouvelle Vague francesa que inspirou notavelmente realizadores como Godard, um dos nomes mais repetidos na filmografia a ser exibida no festival. Outro dos heróis do festival, a marcar toda a programação, será, como referido, o cinema brasileiro. No rescaldo do Carnaval, da vitória da Mangueira com a face de Marielle e do #GoldenShowerBolsonaro, o IndieLisboa mostrará filmes da nova cena do cinema dando palco a alguns dos nomes emergentes do outro lado do Atlântico.

A competição nacional é sempre outro dos pontos altos do IndieLisboa. Neste particular teremos estreias nacionais como Campo, de Tiago Hespanha, um ensaio filme-ensaio na maior base militar da Europa, que reflecte sobre o físico e humano, o transcendente e mundano, o novo de Tiago Guedes, Tristeza e Alegria na Vida das Girafas, o filme realizado pela Catarina Wallenstein e pelo Felipe Bragança, Tragam-me a Cabeça de Carmen M. ou o documentário Sacavém, em que Júlio Alves viaja pelo cinema do realizador português Pedro Costa.

Ao todo são mais de 270 filmes, de todos os géneros e para todos os gostos. Uma das novidades deste ano é a aplicação para iOS e Android do festival, onde podes ver o programa completo de filmes deste ano, consultar a grelha de sessões, comprar bilhetes, ler as sinopses dos filmes e, até, ver os respectivos trailers. Podes também consultar todos os filmes que passarão por este IndieLisboa aqui, e espreitar o calendário das sessões aqui.