Apple revela pela primeira vez pedidos de Governos para remover apps

Entre 1 de Julho de 2018 e o último dia do ano, 31 de Dezembro, a tecnológica da maçã recebeu 80 pedidos de 11 países diferentes para a remoção de 770 das App Stores locais. Aceitou 75 desses pedidos, foram removidas 634 aplicações.

Imagem de Rob Hampson via Unsplash
 

Pela primeira vez, a Apple publicou quantos pedidos de Governos recebeu para que certas apps fossem removidas da App Store, conforme conta o TechCrunch. Os dados contam de um relatório de transparência publicado esta terça-feira. Entre 1 de Julho de 2018 e o último dia do ano, 31 de Dezembro, a tecnológica da maçã recebeu 80 pedidos de 11 países diferentes para a remoção de 770 das App Stores locais.

(O que são isto das ‘App Stores locais’? Bem, apesar de teoricamente existir uma só App Store; existem aplicações que só estão disponíveis em determinados países e outras que nem por isso, ou seja, na prática cada país acaba por ter a sua App Store.)

Dos 80 pedidos que a Apple recebeu, 75 foram aceites, tendo sido removidas, no total, 634 aplicações da loja. A China foi a que fez mais pedidos e conseguiu que 517 apps fossem eliminadas da loja, a maioria ligada a apostas a dinheiro e a pornografia. Segue-se a Noruega que pediu com sucesso a remoção de 37 aplicações, relacionadas com apostas ilegais; a justificação foi semelhante nos Países Baixos, Áustria, Suíça, Vietnam e Rússia. Na Arábia Saudita, Kuwait e Líbano, os pedidos estiveram relacionados com violações das leis de privacidade; já na Turquia, que pediu que 2 apps fossem eliminadas, há uma investigação em curso relacionado com conteúdo ilegal, relacionado com violação de direitos de autor e uma suspeita de violação da lei de transportes do país.

Tabela via Apple

Podes ver em detalhe estes dados aqui. A Apple não diz que aplicações foram removidas, mas pela informação divulgada percebe-se que as situações tiveram globalmente que ver com questões legais. A tecnológica promete a partir de meados de 2020 publicar os recursos de Governos a pedidos de remoção de apps não aceites.

De resto, o relatório de transparência da Apple inclui informação de outros pedidos recebidos por Governos. Apesar de o Governo português não ter pedido a remoção de nenhuma aplicação, contactou a Apple 146 vezes entre 1 de Julho e 31 de Dezembro de 2018 para assuntos relacionados com equipamentos, identificação fiscal e contas de utilizadores.

A Google, dona da igualmente popular loja de aplicações Play Store, também publica relatórios de transparência detalhados de pedidos que recebe de Governos; contudo, não revela (ainda) detalhes sobre aplicações que cada país possa ter pedido para eliminar da loja.

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.