Gerador: a ‘nova’ revista que quer investigar a cultura

Lançada originalmente em 2014, a Gerador surge estes meses de Julho e Agosto renovada nas bancas.

Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Lançada originalmente em 2014, a Gerador surge estes meses de Julho e Agosto renovada nas bancas. Uma nova revista que mantém no seu ‘código genético’ a cultura enquanto algo universal, feito por todos em qualquer lugar, mas que apresenta agora uma promessa única: a Gerador quer “afirmar-se como uma referência na investigação jornalística cultural”.

É que sites e blogues de cultura há vários, quase todos se dedicam a reportar as mais recentes estreias de cinema, as séries que estão a fazer furor no streaming ou os concertos mais badalados que passaram pela capital. Já a Gerador quer ir mais a fundo; se essa cobertura cultural cabe online, na revista que sai de dois em dois meses a equipa propõe-se a fazer jornalismo de investigação aplicado à cultura, dedicando tempo e espaço não só aos produtos culturais como a quem está nos seus bastidores a fazer com que tudo aconteça.

Nesta primeira edição da nova revista – que é o número 26, em boa verdade —, a Gerador apresenta uma radiografia inédita da cultura em Portugal com base num estudo promovido pela própria revista de norte a sul, em parceria com a empresa de estudos de mercado QMetrics, um dos grandes marcos desta mudança, que a associação pretende tornar anual. Para além desse lado estatístico, há ainda espaço, claro, para reportagens e entrevistas que seguem algumas das pistas deixadas pelo estudo. Os caminhos que artistas, autores, programadores e mediadores culturais, académicos, decisores traçam para a cultura português são nesta edição o tópico central que pretende servir de mote para um mergulho cada vez mais fundo no universo cultural português, sem impor limites mas à procura de perceber quais são.

Na revista surgem ainda crónicas de Salvador Sobral ou Luís Ferreira, programador do 23 Milhas e Bons Sons, entre outros nomes da cena cultural portuguesa; e trabalhos literários, gráficos e fotográficos de novos talentos que ajudam a equilibrar cada edição.

“Escrevemos sobre os temas fundamentais da cultura portuguesa, com profundidade rigor e dedicação, mas também com descontracção, humor e capacidade de encaixe. Reflectimos sobre o que nos importa a todos, sobre os direitos e sobre os deveres, independentemente de estarmos no litoral ou no interior, no norte ou nas ilhas. Todos os bimestres convocamos artistas, decisores e entidades para se expressarem de forma aberta, com obras, textos, ideias e provocações.”

A Gerador foi fundada por Tiago Sigorelho, Miguel Bica e Pedro Saavedra; Tiago e Miguel são presidente e vice-presidente da Associação Cultural Gerador, que detém a publicação. Actualmente, a revista tem como responsável editorial Andreia Monteiro, conta com os repórteres Carolina Franco, Ricardo Gonçalves e Rita Santos, e tem nesta nova fase o design a cargo de Hugo Henriques e Carla Rosado.

Com o conjunto da revista, do site e do espaço recentemente inaugurado no Lumiar, em Lisboa, onde têm lugar conversas, momentos ma Gerador afirma-se como “uma plataforma de ação e comunicação para a cultura portuguesa” e diz que “existe porque tem de ser”. O espaço no Lumiar, a que chamaram Central Gerador, está aberto de quinta a domingo e pretende posicionar-se como um extensão física da revista promovendo conversas sobre os tópicos abordados editorialmente, momentos musicais, pequenas exposições ou outras actividades culturais,

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.