Boas ou más? As duas novas funcionalidades do Instagram anti-bullying

As duas novidades integram um conjunto de intenções que o Instagram e, em particular Adam Mosseri, já tinham anunciado na última conferência F8.

O bullying existe online e, tal como no mundo analógico, pode ser discreto mas simultaneamente difícil para de quem dele é vítima; com um ecrã permanentemente à frente, surgiu também uma tendência para se ser mais agressivo e a possibilidade desta agressividade ser quase persecutória. Ciente deste problema, o Instagram anunciou esta semana duas funcionalidades que prometem os utilizadores a proteger-se de actos de bullying.

Uma dessas funcionalidades chama-se ‘Restrict’ e permite restringir as interacções que uma dada pessoa pode ter contigo – é anunciada pelo Instagram como uma alternativa ao bloqueio ou ao ‘deixar de seguir’. Quando restringes alguém:

  • os comentários que essa pessoa faça a posts teus ficam visíveis só para ti a não ser que decidas aprovar os comentários, tornando-os públicos;
  • essa pessoa deixa de poder ver quando estás online no Instagram e deixa de poder saber se tu leste as mensagens privadas que ela enviou;
  • a pessoa não sabe que foi restringida.

O ‘Restrict’ pode funcionar como uma primeira reacção, antes de um bloqueio, caso a situação escale. “Embora seja importante remover o bullying no Instagram, também precisamos de capacitar a nossa comunidade para enfrentar esse tipo de comportamento”, refere Adam Mosseri, responsável do Instagram, em comunicado.

Outra funcionalidade que o Instagram anunciou e que funciona por inteligência artificial tem a ver com comentários potencialmente ofensivos. Quando alguém estiver a ofender outra pessoa num post e os algoritmos identificarem esse comportamento nefasto, o Instagram vai perguntar a esse utilizador se deseja mesmo publicar esse comentário – terá alguns segundos para decidir e clicar num botão de ‘undo’. Ao não ser imediatamente publicado, a outra pessoa do outro lado não receberá qualquer notificação e, do lado de cá, há tempo para pensar duas vezes.

“Dos primeiros testes com esta funcionalidade, percebemos que encoraja algumas pessoas a desfazer os seus comentários e a partilhar algo menos doloroso, dando-lhe oportunidade de reflectir”, diz Adam. Não se sabe se isto funciona só com língua inglesa, o Instagram não disse.

As duas novidades integram um conjunto de intenções que o Instagram e, em particular Adam Mosseri, já tinham anunciado na última conferência F8. Agora também há pelo menos duas questões que podem ser levantadas tendo em conta o que agora foi revelado:

  • pode a opção de ‘Restrict’ ser usada para silenciar utilizadores só porque sim, sem que estes saibam (uma vez que o Instagram não vai avisar quem foi restringido de que o foi)?
  • pode a opção de análise de comentários abrir algum precedente para censura de determinado tipo de comentários além-bullying?

Este último ponto é, aliás, levantado pelo jornalista Josh Constine do TechCrunch: