Rui Pinto volta a falar para criticar justiça portuguesa

Num pequeno texto, Rui Pinto mistura factos relacionados com a sua acusação com outras notícias que vieram recentemente à baila e apresenta o seu caso como paradigmático, acusando as instituições judiciais portuguesas de "proteger de forma habilidosa os mecanismos da grande corrupção e evasão fiscal".

Foto via Twitter/@RuiPinto_FL

Embora o caso Football Leaks tenha um protagonista português, epicentro no nosso país, e motivos mais do que suficientes para fazer diariamente notícias e manchetes noutros países, a verdade é que em Portugal tem sido cada vez mais esquecido. Da designação correcta utilizada internacionalmente Football Leaks, fizeram-se derivar outros casos e casinhos com que se libertou a possível tensão da opinião pública em relação a este particular, e assim, um dos maiores leaks da história, revelador de informações secretas de grandes empresas multinacionais, tornou-se em mais uma pedra de arremesso sobretudo entre Benfica e Porto.

Contudo, o caso mesmo que discreto está longe de estar parado e quem o diz é o próprio Rui Pinto que numa rara declaração publicada através da sua conta de Twitter faz uma espécie de ponto da situação aproveitando para endereçar fortes críticas à justiça portuguesa. Num pequeno texto, Rui mistura factos relacionados com a sua acusação com outras notícias que vieram recentemente à baila e apresenta o seu caso como paradigmático, acusando as instituições judiciais portuguesas de “proteger de forma habilidosa os mecanismos da grande corrupção e evasão fiscal”.

Na nota final do texto, e feitas as críticas às autoridades nacionais, a toada do texto é outra. Rui Pinto contrapõe as duras palavras sobre a inércia da justiça portuguesa com a esperança de que as autoridades de outros países investiguem, referindo nomeadamente a entrada do aparelho espanhol na investigação à Doyen Sports, e dando eco às palavras da magistrada francesa e ex-eurodeputada Eva Joly, que garantiu que outros países investigarão mesmo que Portugal não o faça.

Recorde-se que apesar do âmbito nacional muitas vezes imputado a este caso pelas instâncias portuguesas, o leak protagonizado por Rui Pinto vai muito para além do nosso pequeno país. Uma recente peça da New Yorker, publicada do outro lado do mundo, onde o futebol não é o desporto rei, é uma leitura recomendável para nos distanciarmos da situação e percebermos a sua real dimensão; como nela se refere, os dados obtidos por Rui Pinto sobre transferências e outros negócios do mundo do futebol são 60 vezes mais que os obtidos por Edward Snowden sobre a NSA.

O artigo da New Yorker sobre Rui Pinto (screenshot via New Yorker)

Recentemente, na mesma conferência em que falou Eva Joly, a agora também ex-eurodeputada Ana Gomes também mostrou a sua perplexidade perante a falta de investigações, sublinhando que Rui Pinto terá entre 2017 e 2018 recorrido ao site do DCIAP para fazer denúncias anónimas substanciadas que nunca tiveram qualquer tipo de seguimento. Na mesma declaração, Ana Gomes revelou também outra nuance sobre a percepção de Rui Pinto sobre as autoridades portuguesas que acusa de apenas quererem que ele ceda informação que o possa incriminar e de nunca ter solicitado dados que potenciassem outras investigações.

Actualização às 12:17, 25 de Julho: A mensagem de Rui Pinto surge no dia em que a Sábado avança que o hacker responsável pelo Football Leaks terá invadido o e-mail do juíz Carlos Alexandre. A notícia baseia-se, segundo escrito, em fontes próximas da investigação do Ministério Público, designa o Rui Pinto de ‘hacker do Benfica’ numa assunção daquilo que escrevemos acima, juntando-se assim à lista de outras revelações já feitas pelo MP a determinados órgãos de imprensa.