The Great Hack: o documentário recomendado para este fim-de-semana

Porque temos de conseguir compreender este mundo, antes que seja tarde demais.

The Great Hack (screenshot via Netflix)
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

O escândalo da Cambridge Analytica não foi apenas um caso de uma empresa que usou dados de utilizadores do Facebook para manipular resultados eleitorais nos EUA e no Reino Unido. Foi uma história absurda em termos de complexidade e que, provavelmente com o passar do tempo, se tornará mais clara; neste momento apenas temos um documentário acabado de sair no Netflix e que basicamente explica porque é que a Cambridge Analytica é um assunto importante.

Não é pela Cambridge Analytica. De todo. The Great Hack, assim se chama o documentário na versão original (Nada é Privado: O Escândalo da Cambridge Analytica, na versão portuguesa), é sobre uma sociedade que, iludida com o sonho de um mundo interligado, entregou os seus dados pessoais a empresas de tecnologia, não reguladas, que os exploram em negócios multimilionários e que não dão garantidas de privacidade.

 

É sobre a realidade filtrada que as plataformas digitais nos providenciam, onde tão facilmente é possível criar e espalhar conteúdo propagandista, direccionando-a a alvos específicos e frágeis através da organização de inúmeros dados em perfis-tipo. Em última instância, é sobre como a internet pode e está a ser usada para manipular indivíduos, um a um, e dividir o mundo, com consequências em eleições sérias e que merece a nossa reflexão – dos EUA ao Reino Unido, passando pelo Brasil.

Mas The Great Hack não deixa de ser um documentário sobre a Cambridge Analytica, que levanta, por exemplo, a questão sobre esta se trata de uma empresa criminosa ou não. O filme conta com a participação especial de David Carroll, professor universitário que se envolveu numa batalha judicial com a Cambridge Analytica para reclamar os seus dados, e de Carole Cadwalladr, jornalista do The Guardian que, em conjunto com o whistleblower Christopher Wylie, tornou pública a primeira parte da história sobre a Cambridge Analytica.

David Carroll (screenshot via Netflix)
Carole Cadwalladr (screenshot via Netflix)

O documentário, contudo, não foca a sua atenção em Wylie, mas em Brittany Kaiser, que trabalhou directamente na Cambridge Analytica e ao lado de Alexander Nix nas campanhas de Trump e do LEAVE.EU (Brexit). The Great Hack procura retratar a luta interior de Kaiser, que diz ter muito para reflectir depois de ter trabalhado na Cambridge Analytica e de ter ajudado Nix nos seus objectivos de mexer com resultados eleitorais.

Brittany Kaiser (screenshot via Netflix)

The Great Hack não é suposto ser um documentário que nos sugere respostas e soluções, mas antes que levanta perguntas e nos deixa a pensar sobre o lado obscuro da internet, que discretamente influencia o mundo real de formas sem que muitas vezes nem nos apercebamos. É uma história nova, sobre dados, sobre tracking, e que deve ficar nos livros de História. Por agora, é uma história que recomendamos ver no Netflix. São duas horas de documentário bem investidas. Porque temos de conseguir compreender este mundo, antes que seja tarde demais.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.