Projectos que inspiram a mudança


O Shifter nasceu na web e, desde o início, mantém-se atento ao que o rodeia. Se o projecto nasceu porque queríamos criar um espaço na web onde gostássemos de estar e pudéssemos saber mais, essa atenção ao outro não se perdeu com o tempo. Assim, entre nós é constante a partilha de projectos de media que nos pareçam disruptivos e de algum modo inspiradores; estamos atentos a outros meios para perceber e valorizar o que fazem de melhor e através de um pensamento crítico sobre o seu trabalho podermos melhorar o nosso.

As referências foram-se alterando ao longo do tempo, à medida que nós enquanto pessoas fomos amadurecendo e à medida também que o projecto foi evoluindo. Se inicialmente, quando o foco era tecnologia, olhávamos mais para títulos como The Verge ou Mashable, cada vez mais nos inspiramos em projectos mais abrangentes e que procuram como uma maior profundidade sobre as temáticas como a Baffer Magazine ou o Nexo Jornal.

Porque estas inspirações fazem mais sentido do que nunca, agora que estamos a mudar. Mas sobretudo porque nos oferecem uma visão clara do que podem ser os diferentes discursos de um órgão de comunicação social, diferente do formato tradicional, aqui fica uma lista de projectos de media que seguimos com atenção. Desde as reflexões profundas da Aeon Magazine às investigações do The Intercept, passando pelo trabalho no terreno do Jornal Mapa.

Nexo

Nos contextos mais turbulentos nem sempre é fácil manter uma distância em relação aos contextos que nos permita manter uma visão sóbria e serena sobre a vida – na assunção social do termo. É isto que o Nexo faz bem. É uma plataforma multimédia que alberga textos, gráficos, vídeos e podcasts. Mantém-se atento ao que se passa na política brasileira mas não se deixa contagiar pela urgência dos tempos, mantendo uma postura reflexiva que caracteriza o seu jornalismo debruçado sobre o contexto. Existe desde 2015 e em 2017 foi premiado pela Online News Association na categoria Excelência do jornalismo online – pequenas redacções.

Mapa

Se é verdade que olhamos para projectos digitais como o Observador ou o Fumaça com muita atenção, um dos que mais nos tem inspirado é o analógico Jornal Mapa. O Mapa propõe-se a fazer jornalismo de “informação crítica” em Portugal, sem cunhos partidários ou qualquer influência de grupos económicos. Zelam pela sua independência e, acima de tudo, pela liberdade de pensamento e análise dos seus leitores. O Mapa nasceu no final de 2012, em “tempos de crise”, e já vai em 24 números. Os seus artigos são longos, aprofundados e saem em papel – um formato que nunca perdeu as suas mais-valias e que lhes permite explorar públicos diferentes como os que consultam jornais em bibliotecas, onde o jornal está disponível gratuitamente.

The Baffler

‘Non-Trending Topics’ é assim que a The Baffler descreve aquilo que aborda o seu exercício editorial. Esta revista bimestral norte-americana oferece uma selecção sempre criteriosa de ensaios, críticas e outro tipo de artigos em profundidade, sem nunca ceder à pressão do que está na berra. Ainda assim, este é um dos projectos que se mantém mais actual, inspirando reflexões e debates sobre assuntos que marcam a contemporaneidade como o design, a mediação por algoritmos, a vigilância em massa, entre muitos outros.

The Outline

Apesar das mudanças a que se viu forçado, o projecto The Outline não perdeu as suas mais valias. A linguagem escrita e visual disruptiva fazem com que se mantenha como um projecto a acompanhar. Os cortes na equipa da redacção em consequência dos resultados financeiros negativos são algo a ter em conta – e que se fez sentir –, mas a agilidade do projecto e a sua resiliência em torno da ideia base de fazer algo diferente permanece. Num mercado saturado como é o dos media especializados em tecnologia, o The Outline distinguiu-se pela abordagem mais crítica ao que as tecnológicas estão a fazer, não comentando lançamentos, mas apontando tendências, lançado questões e desafiando-nos a reflectir sobre o mundo em que vivemos.

Aeon

Afirma-se como uma revista digital de ideias, filosofia e cultura; o Aeon publica ensaios e outros artigos que provocam o nosso pensamento e nos oferecem alguma profundidade sobre temas que têm tudo a ver com o mundo à nossa volta. Criado em 2012 em Londres por Paul e Brigid Hains, o Aeon é, por isso, mais que uma revista para informar, uma publicação para nos desafiar a reflectir. Além dos trabalhos escritos, o Aeon disponibiliza também uma secção de vídeos, entre conteúdo original e curação de conteúdo de outros. O Aeon é gratuito, para todos.

Vox

A Vox “engole” projectos como o The Verge ou o Polygon, e nota-se que as publicações do ‘grupo’ de media bebem uma filosofia próxima. Mas a Vox é de todos os títulos da família homónima a mais abrangente em termos de temáticas e, como o Shifter já não é uma publicação de tecnologia, a que mais nos inspira na prática. A Vox surgiu com um propósito muito claro: explicar as notícias. Numa era com cada vez mais informação, a Vox continua a ser uma referência nisto do “jornalismo explicativo”, e uma referência também em como fazer informação em vídeo, mais concretamente no YouTube.

Wired

Disponível em revista mas com edição digital 24/7, a Wired é uma inspiração no campo do jornalismo de tecnologia. Sim, fala dos lançamentos de gadgets e das novidades das plataformas digitais, mas dá sempre uma perspectiva crítica e dá sempre aquele contexto; não se cinge a tecnologia, também fala de ciência, transportes… É uma revista sempre bem ilustrada e na qual os temas, além de quase sempre interessantes, surgem bem tratados.

The Intercept

Com um pé nos Estados Unidos e outro no Brasil, o The Intercept é um órgão de comunicação social relativamente novo e que tem vindo a conquistar o seu espaço mediático. Não se dedica a “assuntos menores” mas a investigações e temas em que os outros meios não costumam pegar. Política, guerra, vigilância, corrupção, ambiente, tecnologia, crime e justiça são, por assim dizer, o “arroz” em que o The Intercept cozinha os seus casos, prometendo sempre um jornalismo livre e sem medo. O projecto foi financiado pelo fundador do Ebay e filantropo Pierre Omidyar e está integrado na First Look Media, uma organização sem fins lucrativos.