10 Anos é Muito Tempo: The XX num Verão Quente

xx é editado no pico do verão londrino, mas à imagem da capital inglesa, não deixa entrar muita luz.

 

Há coisa de um mês, recordámos duas das três mais aclamadas estreias de 2009. Faltava o homónimo dos The XX, editado em plena silly season, altura de marasmo não só discográfico, mas quase total. xx é editado no pico do verão londrino, mas à imagem da capital inglesa, não deixa entrar muita luz. Na altura pré-álbum, o CV dos quatro londrinos eram compostos por versões nebulosas de clássicos r&b, hábito que ainda hoje mantêm. A versão limitada de xx pela Rough Trade incluia três: “Do You Mind?” de Kyla, “Hot Like Fire” de Aaliyah e “Teardrops” de Womack & Womack. E isto leva-nos ao ponto fulcral deste texto: a influência que esse r&b, no geral, e Burial, no particular, poderão ter tido nestas 11 canções. “Beyoncé é a mais entusiasmante performer dos nossos tempos” terão concluído antes de se tornarem na mais badalada nova banda de 2009.

Para começar com o mais aborrecido, eis os factos: os xx são de Londres e estudaram na Elliott School, que tem como ex-estudantes honorários os Hot Chip, Four Tet e… Burial. Se isso não interessa grande coisa na hora de apontar influências e caminhos, repescamos Untrue, do produtor londrino. A forma como Burial manipula também ele clássicos r&b, de Usher a… Beyoncé, de Christina Aguilera a D’Angelo e… Aaliyah, com resultados tão simples e surpreendentemente emocionais é uma das maiores e mais belas proezas de um tempo em que já não se inventa nada, mas em que se manipulam arquivos com mestria. Um exemplo: em “Archangel”, pega numa das canções mais melosas (discutível, bem sei) deste século (“One Wish” de Ray J) e transforma-a em algo negro, mas tocante e completamente novo.

Ora, se Burial partiu da luz para a escuridão e criou a banda sonora perfeita para uma Londres by night, os xx partiram de um negro que vai da roupa à expressão facial dos quatro elementos (parece-nos mais timidez que pose) e que inevitavelmente acaba nas canções que a imprensa chegou a insinuar serem sobre a vida sexual dos quatro elementos. Lá está a influência r&b a vir ao de cima. Mas importa esclarecer que as letras não são assim tão explicitas e isto no fundo parecem ser canções sobre intimidade e as emoções que daí advêm. E assim, carregados de mistério (outra cartada que Burial leva ao extremo), mas com um som surpreendentemente transversal que chega aos alternativos, ao mainstream e a celebridades como Rihanna que samplou “Intro”, eventualmente a canção mais icónica da banda.

E foi assim que uma banda quase ausente de carisma, com uma simplicidade que vai do som até à capa, que fez os jornalistas gastar as chatas comparações com os Young Marble Giants e o uso do termo “minimalismo” chegou ao topo das listas de melhores do ano e encheu salas e festivais.

Como sabes, estamos a mudar o Shifter e parte dessa mudança é deixá-lo respirar. Até ao final de Agosto não vamos publicar artigos com a regularidade do costume, mas vamos abrir algumas excepções, para conteúdo que encaixa na nova definição do #Shifter2020 e nos permite ir pensando o projecto enquanto o fazemos.

Ainda assim, continuamos a querer a tua ajuda nesta nossa transformação! Para fazeres parte da mudança, segue a nossa conta de Instagram, o nosso novo Twitter @LabShifter ou o site Shifter2020.pt. Critica, sugere ou comenta e fica atento porque em breve começaremos um período de mudança ainda mais interactivo! Até já!

Gostaste do que leste? Quanto vale conteúdo como este?

Trabalhamos todos os dias para te trazer artigos, ensaios e opiniões, rigorosos, informativos e aprofundados; se gostas do que fazemos, apoia-nos com o teu contributo.