Caso Epstein leva a duas demissões de peso no MIT: o que está em causa?

Richard Stallman, conhecido pioneiro do software livre, foi a última vítima colateral do badalado em torno de Jeffrey Epstein. Já na semana passada foi Joichi Ito, director do MIT Media Lab, a colocar o seu lugar à disposição.

Caso-Epstein-Stallman-Ito-(Shifter)
À esquerda, Richard Stallman; ao centro, Jeffrey Epstein; à direita Joichi Ito (fotos de Maurizio Scorianz e de World Economic Forum via Flickr)

Mesmo depois de Jeffrey Epstein se ter alegadamente suicidado na prisão, enquanto aguardava o desenrolar da investigação e o seguimento do caso para julgamento, a rede associada a exploração sexual de menores que, segundo a acusação, liderava, continua a dar que falar.

A polícia já anunciou que prosseguirá com todas as investigações e diligências para apurar o envolvimento de outras pessoas nos crimes mas, por agora, é publicamente que vão surgindo revelações e novos visados de acusações; em causa, está sobretudo a manutenção de ligações com Epstein mesmo depois de serem conhecidas as suas condutas ilegais.

Richard Stallman, conhecido pioneiro do software livre, criador do manifesto GNU e até agora presidente da Free Software Foundation, que fundara em 1985, foi a última vítima colateral do badalado em torno de Jeffrey Epstein. Já na semana passada foi Joichi Ito, director do MIT Media Lab, a colocar o seu lugar à disposição.

O caso de Joichi Ito

Joichi Ito pedira a demissão do cargo de director do laboratório de Massachusetts, e também da MacArthur Foundations e da The New York Times Company, depois de uma peça da revista New Yorker revelar pedidos de financiamento feitos por este a Epstein; Epstein era de tal forma uma figura a evitar que nos e-mails era referido como “aquele cujo nome não pode ser dito”, ainda assim, contribuirá financeiramente com cerca de 1,7 milhões de dólares colocados à disposição do laboratório.

O multimilionário funcionava como financiador e intermediário para outros tendo, segundo a New Yorker contribuido com cerca de 7,5 milhões de dólares pelos cálculos da instituição. As acusaões sobre Joichi Ito incidem sobretudo no facto de não ter cessado os recebimentos depois dos crimes se tornarem conhecidos e, para além disso, ter escondido as somas reais das contribuições tornadas públicas pelo seu laboratório.

O caso de Richard Stallman

Já o caso de Richard Stallman é bastante diferente e tem apenas como ponto comum o facto de se tratarem de duas figuras de referência no mundo da tecnologia e, particularmente, no universo MIT. O conhecido pioneiro do software livre demitiu-se depois de alguns e-mails seus com afirmações polémicas sobre o caso terem sido revelados.

O caso de Stallman começara com a denúncia da ex-aluna do MIT Selam Jie Gano numa publicação no seu Medium. Nessa publicação, Jie Gano transcrevera parte dos e-mails enviados por Stallman para uma lista do Computer Science and Artificial Intelligence Laboratory – departamento pertencente ao MIT com que Stallman colaborava –, em que o engenheiro desvalorizava tacitamente a posição de uma das alegadas vítimas do esquema.

Em resposta ao apelo de uma estudante do MIT para que se realizassem protestos contra as doações de Epstein, Stallman dedicara-se a apresentar a sua tese de descontrução da acusação, apontando a “inflacção” e dizendo que o cenário mais plausível seria que a menor tivesse consentido todo o acto perante Mavinksy, depois de ter sido envolvida no esquema e coagida por Epstein. Em causa, está a acusação de Virginia Giuffre de ter sido abusada pelo já falecido professor do MIT Marvin Minsky, depois de ter sido recrutado por Epstein e a sua mulher quando ainda tinha 16 anos.

“We can imagine many scenarios, but the most plausible scenario is that she presented herself to him as entirely willing. Assuming she was being coerced by Epstein, he would have had every reason to tell her to conceal that from most of his associates.” lê-se no e-mail transcrito por Selam Jie.

Os e-mails integrais de onde foram retirados os excertos acabaram mais tarde por ser publicados na íntegra pela publicação VICE e gerar um interesse da imprensa nas posições de Richard Stallman. Ainda num desses e-mails, Stallman escrevera que considerava moralmente absurdo definir “violação” com base em pormenores como a idade da vítima ser 17 ou 18 anos. Já no seu blogue, e segundo avança a Daily Beast, Stallman dissera num texto que desvalorizava a problemática da pornografia infantil a propósito de uma proposta do congresso que visava limitar as buscas em computadores na fronteira dos EUA. Nessa publicação, Stallman referia que pornografia infantil pode ser uma fotografia de um jovem sexualmente maduro que um adulto ache atractivo.

Curiosamente, esta não foi a primeira vez que Richard Stallman se referiu ao caso de Epstein; no seu blogue já havia feito uma publicação em que enquadrava a prática de Epstein não como pedofilia mas como violações em série, considerando que este apenas envolvera menores mas numa fase pós-puberdade.

Foi também no blog que Stallman comunicou o seu afastamento do MIT, referindo que o faz devido a uma série de mal entendidos e más caracterizações que geraram pressão sobre si e sobre o MIT.

I am resigning effective immediately from my position in CSAIL at MIT. I am doing this due to pressure on MIT and me over a series of misunderstandings and mischaracterizations.

Actualização às 15:03: Adicionada referência ao e-mail original de Stallman e a sua mensagem de demissão publicada no seu blog.