Memes do Brexit: o caos político e o humor britânico

Nem mesmo perante uma situação política que pode vir a destruir completamente o Reino Unido como o conhecemos, param de chegar ao mundo digital memes e soundbytes que nos lembram mais os Monty Python, menos o corpo legislativo supremo britânico.

A crise do Brexit mergulhou profundamente no caos na passada quarta-feira, depois de o Primeiro-Ministro Boris Johnson e do seu plano pegar ou largar para tirar o Reino Unido da União Europeia no próximo mês terem sofrido várias derrotas embaraçosas. Isto depois de um fim-de-semana de protestos, quase sem precedentes, que pedem a sua demissão por todo o território britânico, de um sentimento de revolta colectivo que ultrapassa fronteiras e deixa todo o mundo de olhos postos no seu Governo e numa semana crucial, e em que a novela Brexit viveu alguns dos episódios mais importantes para a sua história.

Em cenas estridentes que esta semana contribuíram para a onda de humilhação que tem inundado Johnson: 21 membros do seu partido votaram para desafiar a sua estratégia de Brexit sem acordo, enquanto que um outro deputado parlamentar desertou para um partido da oposição. Em resposta, o Primeiro-Ministro expulsou o grupo de rebeldes – que incluía vários ex-Ministros e o neto de Winston Churchill – do Partido Conservador e perdeu a maioria parlamentar do seu Governo. Duas derrotas num dia. Mas houve mais. O Parlamento rejeitou a sua proposta de eleições antecipadas – o Governo já anunciou que vai propor eleições de novo na segunda-feira. E outra: a Câmara dos Comuns fez aprovar uma lei para adiar o Brexit até 31 de Janeiro de 2020. A proposta de lei subiu à Câmara dos Lordes, que, depois de uma noitada, anunciou o seu compromisso em aprová-la durante a tarde desta quinta-feira para a reencaminhar depois de volta para a Câmara dos Comuns para ser discutida e, daí, seguir para as mãos da rainha.

Mais, o seu próprio irmão, deputado conservador e secretário de Estado das Universidades e da Ciência, demitiu-se esta quinta-feira. Jo Johnson era assumidamente opositor da intenção do irmão de uma saída “dura” da UE, e justificou a sua demissão dizendo estar dividido “entre a lealdade familiar e o interesse nacional”. Boris reagiu e disse que preferia “morrer numa valeta” a adiar o Brexit. O Partido Trabalhista também reagiu, aproveitando para dizer que “Boris Johnson é uma ameaça tão grande que nem o seu próprio irmão confia nele”.

Ninguém disse que o Brexit ia ser fácil de entender. O sistema complexo da monarquia constitucional e a organização intrincada do poder legislativo britânico já eram difíceis e nada neste processo que dura há três anos os tornou mais simples de compreender. Também não é novidade que, apesar da preconceituosa politeness britânica, das boas maneiras polidas, dos discursos articulados e da pose quase aristocrática de algumas elites, o Parlamento britânico é palco de momentos espetaculares de teatro tragicómico. E nem mesmo perante uma situação política que pode vir a destruir completamente o Reino Unido como o conhecemos, param de chegar ao mundo digital memes e soundbytes que nos lembram mais os Monty Python, menos o corpo legislativo supremo britânico.

Boris Johnson é um meme com pernas, por si só. Concorde-se ou não com as suas políticas e opiniões, a verdade é que a forma como muitas vezes as expõe o deixa na ribalta pelo escândalo e a internet aproveita isso para o mediatizar, mais ainda. É a pensar no líder do Governo de Sua Majestade, mas com a certeza de que não é caso único, que em baixo te deixamos alguns outros exemplos que, perante a possibilidade ainda eminente de um Brexit kamikaze e de o caos não terminar por aqui, podem fazer-te rir (para não chorar). Para nos lembrarmos que o humor britânico também é um clichê (dos bons) e que o mundo web continua a ser um óptimo destino de viagem para quem quer desanuviar da crise.

Pôr ordem na casa

Começamos com uma gargalhada ligeira. O momento em que o Presidente do Parlamento britânico, John Bercow, speaker há quase 10 anos, que se tornou conhecido por parecer ser o único homem capaz de pôr ordem na Câmara dos Comuns, fez mais uma das suas, repreendendo o deputado conservador Michael Gove, dizendo-lhe para não “reclamar”, mas à sua maneira.

De kit de barbear e muda de roupa na mão

Agora que aquecemos, outra. Auto-explicativa, mas que talvez te faça esboçar um sorriso, pelo menos mentalmente. Perante a perspectiva de uma verdadeira maratona de trabalho na Câmara dos Lordes na quarta-feira – que acabou por se verificar –, Dick Newby, líder dos Democratas Liberais na Câmara, apareceu no Parlamento com o seu edredom, o kit de barbear e uma muda de roupa.

O dorminhoco

E já que falamos em dormir, a medalha de Ouro dos memes do Brexit, pelo menos dos recentes. O milionário, deputado conservador e líder da Câmara dos Comuns Jacob Rees-Mogg recostado no seu assento durante aquele que foi um dos debates mais importantes da história parlamentar, o primeiro pós-férias, como quem se reclina no sofá para um filme de domingo à tarde que vai terminar em sesta. Rees-Mogg foi chamado à atenção durante a sessão e nem teve tempo de se sentar direito sem que a internet o transformasse num fenómeno.

“A personificação de arrogância”“insolente” e “insuportável” são algumas das acusações de quem não se deixou levar pela piada da situação.

Depois houve outra parte da população online que decidiu transformar a indignação em ironia e comédia. No espaço de poucas horas, surgiram montagens que faziam do deputado protagonista de pinturas renascentistas, saltos em altura, ou sestas no famoso sofá dos Simpsons.

Podes ver, de seguida, os memes contextualizados com os respectivos tweets, juntamente com outros que não colocámos na galeria:

Uns argumentaram que piadas e memes distraíam da seriedade do que se passa no Parlamento, e no Reino Unido no geral. Outros questionaram as consequências políticas deste surto de memes de Jacob Rees-Mogg. Como escreveu o editor de tecnologia da BBC, Leo Kelion: “A questão é quem servirá melhor.” E a verdade é que o protagonista da polémica soube tirar partido da situação.

Os cartazes do Governo

Para fechar, a série de memes que se seguiu ao anúncio da “maior campanha de informação pública” sobre o Brexit, no passado domingo. Os cartazes colocados na rua pelo Governo, os anúncios online e nos jornais, viraram telas para se satirizar, por um lado, a ineficácia, por outro, o preço elevado da campanha (mais de 100 mil libras, 111 mil euros).