Apresentamos-te a Emma, a trabalhadora de escritório do futuro indesejado

A Emma tem as costas curvas do tempo que passa à secretária e os olhos vermelhos das longas horas de exposição em frente ao ecrã mas os seus problemas não se ficam por aqui.

emma colleague of the future
Emma via YouTube

Já todos fomos alertados para os perigos que os trabalhos de escritório representarão para a nossa saúde nos próximos anos; contudo, a dificuldade em visualizá-los pode alimentar a nossa inércia e fazer com que pouco mudemos os nossos hábitos. Agora, fruto de uma iniciativa de sensibilização promovida por uma marca de acessórios de escritório, em colaboração com um grupo de investigação, apresentamos-te a Emma, a colega de trabalho do futuro.

A Emma tem as costas curvas do tempo que passa à secretária e os olhos vermelhos das longas horas de exposição em frente ao ecrã, mas os seus problemas não se ficam por aqui. O trabalho da equipa de investigação para desenvolver este modelo em cera baseou-se em cerca de três mil entrevistas a trabalhadores do Reino Unido, Alemanha e França, sobre o que mais sentiam estar a ser afectado pelo seu estilo de vida actual.

Não leias este artigo sentado

A partir dessas entrevistas, e para além das condições fisicamente replicáveis, os investigadores concluíram ainda que perda de visão, aumento do peso e constantes dores de cabeça estão entre as maleitas mais temidas pelos trabalhadores de escritório.

Para além do que anteriormente referimos, a Emma tem outras condições igualmente preocupantes, como os membros inchados da má circulação, pêlos no nariz e orelhas, fruto da má qualidade do ar que obriga o corpo a gerar defesas para se proteger, pulsos finos dos movimentos repetitivos ao computador, eczemas, resultado do stress, e pele seca, consequência da exposição ao calor emitido pelos aparelhos electrónicos.

William Higham foi um dos responsáveis deste estudo e, ouvido pela imprensa internacional, foi peremptório: “A menos que façamos mudanças radicais na nossa vida de trabalho, movendo-nos mais, pensando na nossa postura à secretária, tirando intervalos regulares para caminhar ou consideremos mudar o nosso ambiente de trabalho, os nossos escritórios vão deixar-nos muito doentes.”