A saúde mental: o monstro que precisa de amigos

Importa lembrar que a doença mental não pede licença para entrar. Pode afetar qualquer pessoa, nas mais variadas fases da vida, e é preciso estar atento para ajudar quem possa precisar de nós.

Saúde Mental
Brunel Johnson via Unsplash

1. Falemos sobre o elefante na sala. A doença mental, esse monstro oculto que precisa de amigos, como cantam os Ornatos. Esse monstro precisa de amigos, de atenção, de compreensão. Precisa de uma estrutura de apoio.

2. A propósito do Dia Mundial da Saúde Mental, que hoje se celebra, vale a pena olhar para alguns conceitos importantes para preservarmos a saúde e sabermos ajudar os outros, e a nós mesmos, durante o processo de doença.

3. Em primeiro lugar, prevenir. A maneira como nos relacionamos com o mundo do trabalho, com a sociedade, com os nossos familiares e amigos é determinante no desenvolvimento da maior parte das doenças mentais. Uma sociedade competitiva, acelerada e caótica, como aquela em que tantos vivemos, é propícia ao sofrimento.

4. Horários abusivos, longas viagens de deslocação para o emprego, noites mal dormidas, prazos impossíveis de cumprir: a receita para um desastre anunciado, ou pelo menos para o desconforto que condena milhares de pessoas ao burnout, à desmotivação, à perda de empatia e de coragem para enfrentar o dia.

5. Também as cidades são pano de fundo para estes problemas: o trânsito, o défice de transportes públicos de qualidade, a poluição (sonora, visual, atmosférica), a ausência de espaços verdes, e tantos outros fatores contribuem para um clima social de instabilidade e ansiedade. É preciso que as autoridades autárquicas e os responsáveis decisórios olhem para a arquitetura urbana como prioridade de saúde pública.

6. Apesar do contexto propiciador de doença, é necessário olhar sempre para as experiências individuais, que têm uma forte componente intransmissível. Aquilo que sentimos, no momento em que o sentimos, é o resultado da ação de inúmeros fatores como a personalidade, as vivências ou o panorama biológico individual. Por outras palavras: cada um tem o seu cérebro, cada um tem a sua vida, cada um tem a sua história.

7. A doença psiquiátrica representa, em face disso, um desafio de comunicação. Procurando entender e ajudar o outro, abrimos os braços para aquilo que nos é comunicado e procuramos decifrar o significado daquela informação, enquadrando-a no contexto.

8. A comunicação é não-verbal quando expressa em gestos, na nossa postura, na nossa relação com o espaço físico e com os outros. Uma pessoa deprimida tem uma face típica, inexpressiva, vazia. Uma pessoa esquizofrénica em fase ativa tem um aspeto assustado, confuso ou distante. A forma como alguém se veste, por exemplo, diz-nos muito sobre o seu estado de espírito, o seu contexto cultural ou as suas condições económicas.

9. A comunicação exige que ofereçamos ao outro a nossa atenção, tantas vezes escassa e fragmentada. Um amigo, familiar ou paciente psiquiátrico precisa que nos concentremos, que estejamos disponíveis.

10. A comunicação verbal, por sua vez, é um processo de transferência de ideias que põe à prova as vivências de ambos os interlocutores. O nosso conhecimento sobre o mundo do outro pode ser potenciado pela prática da empatia, que é o método supremo para nos relacionarmos. Um evento que nos pareça banal pode representar para outra pessoa um abalo sísmico no esquema de vida, provocar traumas e medos.

11. A forma como nos apresentamos diariamente perante o mundo é apenas a ponta do iceberg. Há um enorme mundo oculto, submerso, no qual a doença mental procura refúgio e alimento até provocar dano.

12. Face a esse “grande desconhecido” podemos agir de várias formas. A abordagem psicoterapêutica tenta estabelecer os mecanismos desencadeantes, algures no passado ou nas vivências, e desfazer os “nós de pensamento”, associações abusivas ou incoerentes. É um pilar essencial para atacar as bases da maior parte das doenças mentais, para conhecer o doente e para com ele iniciar o caminho da recuperação, do alívio da dor, do reencontro com o “eu”.

13. São muitos os mitos sobre os fármacos usados no tratamento das doenças mentais. Acarretando, como tantos outros, alguns efeitos adversos, é inegável que os psicofármacos são eficazes, melhoram muito as queixas dos doentes e são um pilar essencial do acompanhamento clínico. Essa eficácia depende da adesão terapêutica, isto é, de garantir que os doentes fazem a toma correta da medicação. O contexto familiar é, nesse domínio, muito importante.

14. Importa lembrar que a doença mental não pede licença para entrar. Pode afetar qualquer pessoa, nas mais variadas fases da vida, e é preciso estar atento para ajudar quem possa precisar de nós.

15. Apesar de ser o sofrimento uma luta individual, lembremo-nos do que nos une, da obrigação de olharmos uns pelos outros, com que nos comprometemos ao assinar esse contrato não escrito mas sagrado que é a pertença a uma humanidade.

16. Deixemos que haja entre nós uma comunicação eficaz, trabalhada e fluída, com o emprego da empatia e da solidariedade, com a nossa disponibilidade mental, o nosso tempo precioso, a nossa atenção e os nossos recursos.

17. Acima de tudo, é altura de deitar abaixo o terrível estigma da doença mental, que impede muitos de procurar ajuda. A vergonha e o medo, que tantas vezes são muros no acesso aos cuidados de saúde, têm de ser ultrapassados. Numa sociedade tantas vezes marcada pela falsidade e pelo cinismo, é fundamental afirmar o direito ao sofrimento, o direito à tristeza e o direito à verdade. É normal estar triste, cansado, desmotivado. Não é nada de condenável ou criticável nisso. A culpa é da doença, não do doente.

18. A ajuda existe: está na altura de nos permitirmos, e de permitirmos uns aos outros, o acesso a essa ajuda. Por uma humanidade mais humana.