Código aberto do GitHub vai ser arquivado no Ártico por 1000 anos

E o GitHub quer investir para estender a durabilidade do registo até 10 mil anos.

No arquipélago árctico de Svalbard, na Noruega, foi construído em 2008 o Svalbard Globale Frøhvelv ou, em português, o Silo Global de Sementes de Svalbard. A iniciativa do Nordic Gene Bank, do Nordic Gene Bank Farm Animals e do Nordic Council For Forest Reproductive Material, financiada inicialmente pelo Governo norueguês, tem como intuito preservar à prova de tudo o máximo possível de sementes para que, em caso de extrema necessidade, por extinção de algumas das espécies, os humanos possam recuperar alguma dessa biodiversidade.

Pelo interesse público e humanitário do silo, a zona está ao abrigo de um tratado internacional que a mantém numa zona desmilitarizada, o que a mantém como uma das zonas mais estáveis do planeta terra. Por este motivo, Svalbard tornou-se uma zona interessante para preservar o que quer que seja e, em 2017, uma empresa norueguesa, a Piql, criou o Arctic World Archive (AWA), um arquivo onde estão preservados dados de vários tipos, desde documentos do Vaticano a uma versão digitalizada do famoso quadro O Grito, de Edvard Munch.

A partir deste ano e por iniciativa da numa iniciativa da Microsoft, que adquiriu o GitHub em 2018, o Arctic World Archive (AWA) passará não só a servir de armazenamento importantes documentos e obras de arte, mas também para o código-fonte de algumas das criações open source mais importantes no desenvolvimento tecnológico – como a base de tecnologias como a Inteligência Artificial. Por curiosidade, diga-se que o Crop Trust – um dos fundos responsáveis pela gestão do silo de sementes – recebeu um donativo generoso da fundação criada pelo criador da Microsoft Bill Gates e a sua mulher, Melinda.

O projecto chama-se GitHub Arctic Code Vault e é uma das componentes da iniciativa GitHub Archive Program, uma colaboração entre o GitHub e entidades como o Internet Archive, a The Long Now Foundation e o Project Silica da Microsoft. A revista Bloomberg Businessweek apresenta esta semana uma extensa reportagem sobre o AWA, depois do anúncio público do projecto na conferência GitHub Universe; mas o arquivo do GitHub no Ártico já terá começado no princípio do ano com com projectos de blockchain, o WordPress e algumas linguagens de programação a serem arquivadas. A novidade agora anunciada por Nat Friedman, CEO do GitHub, é que em Fevereiro de 2020 este arquivo será actualizado e permitirá que todos os repositórios públicos na plataforma sejam arquivados da mesma forma.

Capa da Bloomberg Businessweek sobre a iniciativa do GitHub

Segundo o anunciado, o código fonte de milhares de projectos do GitHub ficará gravado em películas com 8,8 milhões de pixeis, feitas especialmente por uma empresa norueguesa especialista em preservação de dados, para durar mil anos nas condições geladas em que será guardada. Contudo, Nat Friedman fez questão de referir que o meio em que os dados são gravados poderá mudar no futuro para materiais como vidro de quartzo ou sílica, que garantam uma maior durabilidade do registo, apontando os 10 mil anos como meta para a sobrevivência do AWA.