Through Our Eyes: o olhar de jovens refugiados em exposição

As fotografias desta exposição não foram feitas por repórteres ou jornalistas, mas antes por jovens refugiados na ilha de Samos.

Uma das fotografias tirada por jovens refugiados em Samos
“Crianças refugiadas olham para o mar.” – Samaneh, 16 anos

Desde Agosto de 2019 registou-se um aumento significativo de chegadas de migrantes e refugiados às ilhas gregas, com os números mais altos desde o Verão de 2015. Consequentemente, as condições de vida nos campos têm vindo a piorar, dia após dia.

Dado este contexto que diz ser alarmante, o colectivo português Humans Before Borders (HuBB) decidiu trazer para Portugal o projecto fotográfico Through Our Eyes, que mostra o dia-a-dia das crianças e jovens que vivem no ‘Hotspot’, o nome do campo de refugiados da ilha de Samos, na Grécia.

As fotografias desta exposição – que tem vindo a percorrer outras geografias e que já foi destacada pelo The Guardian – não foram feitas por repórteres ou jornalistas, mas antes por jovens refugiados naquela ilha, gerida pela organização sem fins lucrativos Still I Rise, e que estudam no centro juvenil Mazi, uma das poucas opções educacionais disponíveis.

Uma das fotografias tirada por jovens refugiados em Samos
“Houve um protesto. Todos os africanos queriam ser transferidos e queimaram 2 quartos-de-banho.” – Mahdi, 15 anos
Uma das fotografias tirada por jovens refugiados em Samos
“A maneira como as pessoas cozinham na selva.” – Anita, 14 anos

Segundo a HuBB, as fotos retratam a realidade quotidiana e as lutas emocionais das crianças presas nas fronteiras da Europa, à mercê de discussões geopolíticas que não têm em conta as suas necessidades básicas, de aprender, crescer e florescer. O olhar de uma criança, desprovido de compromissos políticos, mostra a realidade de uma forma quase inocente mas muito genuína, crua e verdadeira.

Uma das fotografias tirada por jovens refugiados em Samos
“Um homem africano que morava na selva morreu por causa da picada de uma cobra. Naquele dia, todo o povo africano protestou em frente ao campo. A polícia estava lá, mas eles não lutaram.” – Arif, 14 anos
Uma das fotografias tirada por jovens refugiados em Samos
“Aquele homem faz as crianças felizes com canções e danças.” – Arif, 14 anos

Through Our Eyes vai estar em Lisboa de 20 a 26 de Novembro, na Galeria Monumental (no nº 101 do Campo Mártires da Pátria), e no Porto de 20 a 24 de Novembro, no INSTITUTO (no nº 44 da Rua dos Clérigos). A inauguração da exposição no dia 20 não é por acaso; além de Lisboa e Porto, a Through Our Eyes chegará em simultâneo a outras cidades do mundo e neste dia 20 de Novembro de 2019 celebra-se não só o Dia Internacional dos Direitos da Criança, como os 60 anos da adoção da Declaração dos Direitos da Criança e os 30 anos da aprovação da Convenção dos Direitos da Criança.

Durante a semana da exposição, terão lugar algumas actividades paralelas. Em Lisboa, no dia 20 às 20 horas, haverá uma mesa redonda com um ex-voluntário de uma organização sem fins lucrativos em Samos, uma psicóloga que trabalha com refugiados menores não acompanhados em Portugal e, profissionais da área da educação em Portugal. Dia 26, também em Lisboa, terá lugar a performance E Se Fosse Contigo?, realizada pelos membros do coletivo, de forma a mostrar sensorialmente a experiência de ser refugiado. O Porto terá no dia 20, a partir das 19h30, uma mesa redonda com ex-voluntários da Still I Rise e da Samos Volunteers; e no dia 24, às 16 horas, haverá uma performance de um grupo de dança de jovens abordando a temática sob outra forma de expressão artística.

O colectivo Humans Before Borders (HuBB) actua ao nível da sensibilização e acção contra o tratamento desumano e ilegal de migrantes e refugiados, tendo organizado no último diversos eventos, demonstrações, campanhas, protestos. Podes acompanhar o trabalho do HuBB no Facebook e Instagram.