Bons Sons 2019 teve impacto de 3,5 milhões de euros na economia de Tomar

Valor resulta, em parte, da dinâmica gerada com base na atracção de visitantes ao concelho. Entre alojamento e restauração, os não residentes de Tomar terão gasto perto de 200 mil euros.

Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Uma das questões que mais se coloca em relação a eventos de grande magnitude como o Web Summit é qual o impacto que têm na economia do concelho, distrito ou mesmo país. A dúvida é legítima: o Web Summit tem apoio financeiro do Estado e os contribuintes querem saber se o seu dinheiro está a ser bem ou mal aplicado. Web Summit e Bons Sons não são eventos parecidos nem de longe, nem de perto; mas é uma comparação interessante do ponto de vista de grande metrópole vs. pequena aldeia, de grande evento que chegou a Portugal com apoio do Governo vs. pequeno festival que nasceu sustentavelmente no interior do país.

Um estudo, citado pela imprensa regional de Tomar, onde se realiza o Bons Sons desde 2006, dá conta de que o festival de música portuguesa teve um impacto económico e social na região de Tomar de 3,5 milhões de euros; este valor resulta, em parte, da dinâmica gerada com base na atracção de visitantes ao concelho. Entre alojamento e restauração, os não residentes de Tomar terão gasto perto de 200 mil euros. Já aquisição de bens e serviços por parte da organização do festival terá gerado um benefício económico directo na economia na ordem dos 260 mil euros.

Em 2019, quando o Bons Sons comemorou a sua 10ª edição, o festival contou com 33 800 visitantes, acolhidos por uma equipa alargada de 520 pessoas; houve 50 espectáculos de música e dezenas de actividades paralelas no perímetro da aldeia de Cem Soldos, em Tomar. Os visitantes vieram de diferentes partes do país (39% da região do Médio Tejo, à qual pertence Tomar) e de nove países estrangeiros: Bélgica, Brasil, Colômbia, França, Itália, Polónia, Espanha, Ucrânia e Reino Unido. A maioria dos festivaleiros tem entre 17 e 25 anos (36,5%); segue-se a faixa etária dos 26-35 anos (32,5%); a idade média dos visitantes é 31 anos.

No caso do Web Summit, os números não são fáceis de fazer, até porque existem impactos directos no turismo e ocupação hoteleira, mas há outras variáveis, como a influência do evento nas empresas portuguesas. João Cerejeira, professor e investigador, fez para o Ministério da Economia um estudo sobre o impacto do Web Summit entre 2016 e 2028; as estimativas têm têm seis dígitos: 180 milhões de euros terá sido o impacto do evento em 2019, com 70 mil participantes; para 2028, assumindo 120 mil participantes, o impacto deverá atingir os 386 milhões.

Já o NOS Alive, festival que se realiza às portas de Lisboa, em Oeiras, terá um impacto na economia local de 55 milhões de euros, segundo tem avançado o promotor e empresário Álvaro Covões. Já segundo a APORFEST – Associação Portuguesa de Festivais de Música, existiram no ano passado 287 festivais, que geraram no total um impacto directo e indirecto na economia de 18 mil milhões de euros brutos.

O Bons Sons vai regressar a Cem Soldos, Tomar, nos dias 13, 14, 15 e 16 de Agosto. Ainda sem cartaz anunciado, há um passe de quatro dias já à venda por 35 euros.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.