Secretário da Cultura brasileiro cita Goebbels, ministro de Hitler, numa mensagem ao país

Com um ar duro, e as pálpebras franzidas, Roberto Alvim proferiu um discurso de apologia à arte brasileira com um vincado pendor nacionalista.

Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Numa sala austera, com pouca decoração, onde salta à vista uma cruz do lado direito, a bandeira brasileira do esquerdo e um retrato de Bolsonaro sobre a cabeça do interlocutor. Foi neste cenário que Roberto Alvim, Secretário Especial da Cultura do Governo brasileiro fez uma declaração ao país que está a gerar duras críticas.

Com um ar duro, e as pálpebras franzidas, Roberto Alvim proferiu um discurso de apologia à arte brasileira com um vincado pendor nacionalista; o tom das suas afirmações atingiu o ponto mais baixo numa citação de Joseph Goebbels, o ministro da propaganda de Hitler.

Entre as várias afirmações de Roberto Alvim, é possível perceber a toada do seu discurso, mas foi na frase “a arte brasileira da próxima década será heróica e será nacional” que o seu enquadramento se tornou claro. O Secretário da Cultura do Governo de Bolsonaro apelou a uma estética da maioria – uma ideia que vai, tacitamente, contra a ideia da arte enquanto expressão cultural das diversas minorias e individualidades, mas tem sido comum no Governo brasileiro em posse.

“Arte que cria a sua própria qualidade a partir da nacionalidade plena”

“Almejamos uma nova arte nacional, capaz de encarnar simbolicamente os anseios desta maioria da população brasileira”

O vídeo, publicado no Twitter, tinha como intenção anunciar o Prémio Nacional das Artes e as diversas categorias que, pelo que se percebe pelo enquadramento, privilegiará obras de arte que sigam os trâmites definidos pela Secretaria promotora deste vídeo.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.