A Granel e Em Segunda Mão: dois directórios amigos do ambiente

Catherine Francisco, autora do blog Random Cath, criou dois sites que reúnem as lojas de produtos a granel e usados espalhadas pelo país.

Fotografia de Telma Rodrigues/Shifter
 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Os nomes são auto-explicativos mas é mesmo isso que se pede, porque diminuir a nossa pegada ecológica não tem de ser complicado.

A Granel é um directório para lojas que vendem a granel, Em Segunda Mão um directório para lojas que vendem produtos usados. Ambos os projectos foram criados por Catherine Francisco, autora do blog Random Cath, onde dá dicas sobre como viver e consumir de forma mais responsável e ecológica.

Em 2017 criou o A Granel onde, até agora, reuniu 184 lojas. O mapa que surge quando acedemos ao site revela sem surpresas uma maior concentração de estabelecimentos em Lisboa e no Porto mas mostra que a tendência de comprar a granel se tem alastrado por todo o território de Portugal Continental. Catherine assume que é difícil acompanhar sozinha o nascimento de novas lojas e, por isso, disponibilizou no site um espaço onde o próprio utilizador pode acrescentar espaços que não estejam identificado no mapa. Segundo a autora, a contribuição de todos “tem permitido que a quantidade de lojas aumente todas as semanas.”

Catherine conta que, sendo informática de profissão, quer usar o seu conhecimento para melhorar o mundo. “Com vontade de diminuir o meu desperdício, encontrei o movimento Lixo Zero Portugal. Com o estado do nosso planeta hoje em dia, qualquer ação é importante!”, escreve, desvendando a origem deste seu projecto. “A fundadora Ana Milhazes e os membros do grupo Lixo Zero Portugal criaram uma folha de cálculo com muitas lojas que vendiam a granel em Portugal com o objectivo de facilitar a pesquisa deste tipo de lojas a novos membros. Quando vi pela primeira vez a folha de cálculo não pude deixar de visualizar logo um mapa com todas as lojas. Não pude resistir a um projecto novo e útil. E assim nasceu o “A Granel”.”

O objectivo das compras a granel é utilizar menos embalagens e, assim, reduzir o seu consumo. Por isso, no “motor de busca” do A Granel é possível afunilar a pesquisa por lojas que permitem ao cliente levar os seus próprios frascos e sacos, bem como por distrito, conselho e o tipo de produtos que vende. Depois de escolhida a loja, o site agrega todas as informações úteis acerca do estabelecimento, como o horário de funcionamento, contactos, uma breve biografia e um resumo por palavras-chave dos produtos que a loja vende a granel (cereais, leguminosas, chás, sementes, frutos secos, sementes, etc).

Em Segunda Mão tem exactamente o mesmo sistema, é um directório com um mapa do país e das lojas que vendem produtos usados espalhadas geograficamente. Tal como com o A Granel, a maioria das lojas identificadas concentram-se em Lisboa e Porto com poucas no resto do país: no total, há apenas 90 resultados.

O projecto é mais recente, foi criado em 2018, e também aqui Catherine convida os utilizadores e clientes a introduzir as lojas que talvez lhe tenham escapado.

“Comprar e vender usado foi sempre algo que fez muito sentido para mim. Haverá sempre algo que já não utilizo que outra pessoa está à procura, não é verdade? E daí a ideia de criar o “Em Segunda Mão”, um desejo de partilhar esta forma de comprar, mostrar que por vezes é mais fácil do que parece comprar usado, não precisa de ser algo complicado.”

Segundo Catherine, comprar em segunda mão compensa porque permite poupar dinheiro e diminui a pegada ecológica. “Algo que iria para o lixo é comprado por outra pessoa, há algo mais amigo do ambiente que isto? Evitar lixo é muito importante nos tempos em que vivemos. Algo que já foi útil para alguém, é útil agora para o próximo, um perfeito exemplo de uma economia circular com menos desperdício.”

O índice do Em Segunda Mão permite fechar a pesquisa ao tipo de produtos que procuramos, seja roupa/calçado infantil, feminino ou masculino, mobiliário, livros, discos vinil, instrumentos musicais ou material fotográfico, por exemplo.

Ambos os directórios prometem continuar a crescer, tanto quanto a procura por produtos e hábitos do género evoluir também, uma tendência que excede a moda do vintage e devia apelar a todas as consciências. Aproveita esta onda de inspiração e espreita este artigo onde te damos 31 ideias para reduzires o plástico na tua vida.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.