Na véspera de Trump rasgar Acordo de Paris, 1⁄4 dos tweets a negar o aquecimento global foi feito por bots

Uma análise das publicações feitas no Twitter na época em que Trump anunciou a saída dos EUA do Acordo de Paris mostrou que os bots ajudaram a disseminar informação falsa sobre alterações climáticas.

Foto de Kon Karampelas/via Unsplash
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Um estudo feito pela Universidade norte-americana de Brown concluiu que uma em cada quatro publicações feitas no Twitter sobre alterações climáticas foi feita por um robô através de uma conta falsa. E mais, esses robôs foram ainda responsáveis por 38% dos tweets com concepções científicas erradas. O estudo refere que a actividade de bots no Twitter foi verificada com muita frequência em discursos negacionistas da crise climática, enquanto que em comentários classificados como activismo online para apoiar ações contra o aquecimento global a presença de bots foi de apenas 5%.

Para chegar a esses dados, os investigadores analisaram milhões de tweets publicados no período em que Donald Trump anunciou que os Estados Unidos iriam retirar-se do acordo climático de Paris. O levantamento descobriu que os bots costumavam aplaudir o Presidente norte-americano pelas suas ações e espalhar desinformação científica.

As descobertas sugerem “que os robôs não só são predominantes, como são desproporcionais em tópicos como o apoio ao anúncio de Trump, ou cépticos em relação à ação e ciência do clima”, escreve o The Guardian, que teve acesso ao estudo, citando um dos seus autores, Stephan Lewandowsky.

Foram examinados cerca de 6,5 milhões de tweets, utilizando uma ferramenta criada pela Universidade de Indiana, o “Botometer”, um sistema que estima a probabilidade de o utilizador por trás de um tweet ser um bot. Nos dias que antecederam o anúncio de Trump, a atividade dos bots subiu de centenas de mensagens diárias para mais de 25 mil por dia. Com a declaração do Presidente, o interesse geral pelo assunto aumentou e suplantou-se às mensagens falsas, que caíram para 13% do total.

O estudo não foi, no entretanto, capaz de identificar nenhum indivíduo ou grupo por trás do batalhão de bots do Twitter, nem de determinar o nível de influência que os comentários tiveram no debate climático. Ainda assim, várias contas-bot suspeitas de propagar mensagens anti-aquecimento global têm um elevado número de seguidores. Uma delas, @petefrt, entretanto suspensa, tem quase 52.000 seguidores e rejeitou repetidamente a ciência por trás da crise climática. “Acorda CNN: o dogma das ‘Mudanças Climáticas’ é religião, não ciência”, publicou a conta em agosto. Outro tweet de Novembro pedia que os EUA deixassem o acordo de Paris como forma de “rejeitar um futuro construído por globalistas”. Noutro exemplo, a conta @sh_irredeemable, igualmente suspensa, escreveu “Get lost Greta!” em Dezembro, em referência à ativista climática sueca Greta Thunberg. O tweet foi seguido por uma outra publicação que duvidava que o mundo chegasse aos 9 mil milhões de habitantes devido à “#climatechange lunacy”, em referência a uma loucura exagerada, que trava o progresso e desenvolvimento do mundo. A conta tem quase 16.000 seguidores.

John Cook, um cientista australiano e co-autor da investigação, disse que os bots são “perigosos e potencialmente influentes”. “Esse é um dos elementos mais insidiosos e perigosos da desinformação espalhada pelos bots – não apenas que a desinformação é convincente para as pessoas, mas que a mera existência dessa desinformação nas redes sociais pode fazer com que as pessoas confiem menos em informações precisas ou se desvinculem dos factos”, disse.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.