Como combater a ansiedade durante o período de isolamento social

Reconhece a dificuldade do contexto e pensa que, apesar da necessidade de distanciamento social físico, estás conectado a milhões de outras pessoas que compartilham da tua ansiedade e medo.

Foto de Rita Pinto/Shifter
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Para quem sofre com ansiedade, é difícil quando não conseguimos controlar o que se passa à nossa volta. O desafio está em conseguir controlar a forma como nos sentimos e reagimos face ao que se passa à nossa volta. It’s easier said than done, como dizem em Terras de Sua Majestade: é fácil dizê-lo, menos fácil fazê-lo, mas é nesse controlo do nosso bem-estar que está o poder. E ainda que isto seja um conselho para a vida, que podemos replicar em qualquer contexto no qual possamos sentir-nos pouco no comando, durante este período de pandemia e isolamento social recomendado, devemos cuidar da nossa saúde mental, da mesma forma que estamos a tentar proteger a nossa saúde física.

É compreensível que haja muito medo e incerteza em torno da disseminação do COVID-19. São várias as publicações e entidades preocupadas em passar uma mensagem de conforto para aqueles que se têm sentido mais ansiosos, desorientados ou frustrados não só com a gravidade das notícias, mas com a situação de quarentena e isolamento social.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) emitiu um comunicado onde salienta a importância de não desvalorizar quem sofre com ansiedade ou outras doenças psicológicas e psiquiátricas numa altura como esta. No Instagram, a Associação Nacional de Estudantes de Psicologia juntou uma lista de seis conselhos para nos ajudar a lidar com as nossas preocupações durante o período de quarentena, ao mesmo tempo que nos mantemos alertas, por nós e pelos nossos. Também a Fundação Americana para Prevenção do Suicídio usou as redes sociais para partilhar cinco dicas para nos ajudar a cuidar da nossa saúde mental perante momentos de maior ansiedade. A Wired compilou a sua lista de recomendações neste artigo e Katie Heaney, jornalista do The Cut, conta aqui a sua experiência para continuar as suas sessões de psicoterapia numa cidade de quarentena, onde somos aconselhados a ficar em casa.

Porque no Shifter sabemos bem o que é a ansiedade e como em certos momentos nos pode tocar a todos, e porque queremos fazer da promoção da saúde mental uma das nossas prioridades editoriais, reunimos também uma série de dicas para te ajudarem a controlar o stress num momento em que é perfeitamente legítimo que te sintas stressado. É importante saberes que não estás sozinho na tua ansiedade. A alteração das tuas rotinas e a imprevisibilidade de tudo o que envolve esta pandemia podem justificar esse sentimento. Mas reduzir a ansiedade e focares-te naquilo que podes realmente controlar não só tornará este momento difícil mais suportável, como também contribuirá para te manteres saudável. Reconhece a dificuldade do contexto e pensa que, apesar da necessidade de distanciamento social físico, estás conectado a milhões de outras pessoas que compartilham da tua ansiedade e medo.

Mantém-te informado mas não fiques obcecado

Experimenta determinar uma frequência para verificares as notícias que te ajudarão a manteres-te actualizado em relação ao que se está a passar, sem que isso se torne a única coisa em que pensas. Uma vez por dia, num horário predeterminado, por exemplo, pode ser um bom ponto para começar.⁣ Dito isto, limita a tua exposição a notícias de fontes oficiais e credíveis. Grande parte da nossa ansiedade pode originar na percepção de perigo decorrente da informação que tem vindo a aparecer nos jornais e noticiários. Por isso, encara o teu direito a manteres-te informado com seriedade, mas protege-te, privilegiando fontes como a Direção-Geral de Saúde ou a OMS.

⁣Segue as orientações como elas são dadas, sem pânicos

Não vale mesmo a pena entrar em pânico. Não vale de nada ser mais extremo que as recomendações das entidades competentes. Faz o que te ajudar a sentir mais seguro sim, mas a longo prazo, levar tudo ao exagero pode começar a agir contra ti se não conseguires manter esses padrões lá em cima ou se outras pessoas não estiverem a agir de acordo com as medidas que criaste para ti. Além disso, tenta manter em mente que este período de isolamento é uma medida de responsabilidade social. Apesar de ser difícil, tenta equilibrar a tua segurança e necessidades com as necessidades da restante população.

Concentra-te no que te faz bem

Mantém o foco naquilo que liberta espaço na tua mente ou te ajuda a construir a tua reserva de energia. ⁣Neste período de isolamento e quebra de rotinas, é importante, por exemplo, manteres os teus hábitos de sono saudáveis. Com a ausência de horários, não deixes que os momentos de descanso se desregulem. Tenta aproveitar o tempo para realizares actividades de que gostas e que te ajudam a sentires-te conectado e que, no período de aulas ou trabalho, não costumas conseguir. Lê livros, vê séries e filmes, pinta, escreve. Faz o que te apetecer, com tempo e calma. Tomar decisões desse género e concentrares-te nas pequenas coisas do dia-a-dia pode ainda ajudar-te a focares-te naquilo que está sob o teu controlo. Escolher colocar creme no corpo depois do banho ou decidir com que caneta vais escrever no teu diário são pequenas-grandes oportunidades de assumir o controlo.

⁣Tenta manter a tua rotina e o contacto com quem importa

Arranja formas de manter a tua rotina habitual dentro do possível, aproveitando para adicionar actividades de que gostas. Se for difícil estabelecer objectivos para o dia, podes tentar criar um horário onde estabeleces algumas tarefas ou processos. Quando acordares, obriga-te a levantar, tomar banho e vestir. Isso vai ajudar-te a sentires que te manténs activo, apesar da mudança de rotina. O mesmo acontece com os teus amigos e família. Apesar do período de quarentena, procura manter um contacto regular com as pessoas que são importantes para o teu bem-estar. Falar com as pessoas de quem gostamos e em quem confiamos ajuda-nos sempre a superar os sentimentos de ansiedade. Aproveita as vantagens das redes sociais e das videochamadas e sê criativo! Se não puderes estar no sofá a ver uma série com um amigo, vejam a mesma ao mesmo tempo e comentem-na, enquanto falam ao telemóvel. Ou então junta toda a gente numa espécie de festa virtual, onde cada um curte em sua casa e comunicam por vídeo. ⁣⁣

E, como sempre, procura ajuda se precisares. Há muitas entidades competentes, como por exemplo, a SOS Voz Amiga, a oferecer ajuda e os seus serviços às quais podes sempre concorrer. Não estás sozinho com a tua ansiedade e o isolamento social não tem de ser solitário.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.