Made of Millions: uma plataforma sobre saúde mental para todos

"Projectada por pacientes para pacientes", a nova plataforma online da Made of Millions quer ser um "recurso educacional acessível e livre de estigma" sobre saúde mental.

Screenshot via YouTube

Mais do que nunca, a nossa saúde mental merece ser tratada com importância. Além do contexto de pandemia em que vivemos actualmente, que torna obrigatório o cuidado da mente tal como cuidamos do corpo, o tema tem ganho visibilidade global ao longo dos últimos anos, com cada vez mais diagnósticos, debate e reconhecimento público, mas em muitos meios e para muitos grupos continua a ser tabu.

Foi no início dessa mudança que nasceu a Made of Millions, uma organização sem fins lucrativos criada em 2015, com a missão de mudar a maneira como o mundo entende a saúde mental. Na altura, um grupo de profissionais das mais diversas áreas, do Design, à Tecnologia, do Jornalismo ao Vídeo, que sofriam, eles próprios, com questões de saúde psicológica, quis criar uma plataforma que ajudasse outros como eles a lidar com as crises que atravessassem.

Através daquilo que era a sua especialização profissional, criaram sites, chatbots, programas de TV, campanhas de sensibilização e os mais variados eventos, e tentaram elevar a qualidade das informações em torno do tema, e levá-las àqueles que mais precisavam. A sua comunicação simplificada e criativa na forma de descrever a sintomatologia e de desmistificar problemas agradou a milhares de pessoas que se uniram numa comunidade e participaram nos seus grupos de suporte online e nas conferências e reuniões mundiais. A Made of Millions viu as suas experiências e iniciativas serem premiadas, pela educação de sucesso de milhões de pessoas on e offline, viu a sua iniciativa ter impacto junto de especialistas e organizações médicas nos EUA, teve o reconhecimento da imprensa mundial, e mais importante do público.

Mas a luta para elevar narrativas e conceitos tão reais e ainda tão estigmatizados não pára, e por isso, estreiam agora, em pleno clima de ansiedade e incerteza, um site renovado com uma biblioteca digital com ainda mais informação, e a criação de um novo conselho consultivo médico, para representar e ajudar comunidades e perspectivas que normalmente são deixadas de fora da conversa.

Através da arte, media e tecnologia, e num esforço contínuo de educar o mundo para a saúde da mente, a sua plataforma online foi relançada com uma nova comunicação e design, tudo feito pela equipa interna. “Projectada por pacientes para pacientes”, a usabilidade e conteúdos do site foram pensados para que seja um verdadeiro “recurso educacional acessível e livre de estigma”, com especial destaque para o vídeo, principalmente o transmitido ao vivo. A Made of Millions disponibiliza o seu conteúdo gratuitamente no site, e nas suas páginas de Instagram, YouTube, Twitch e Crowdcast, tornando-as gratuitas ​​e abertas ao envolvimento da comunidade.

Com o re-design do site, chega a já mencionada formação de um quadro de médicos e outros especialistas, com os quais a plataforma pretende contar nos conteúdos que partilha, para levar ao público conversas informativas, com advogados, médicos, educadores e comentadores culturais de renome para esclarecer as discussões. A Made of Millions vai organizar séries de conferências e conversas pontuais sobre os mais variados tópicos. Destacam-se a educação sobre medicamentos, saúde mental no trabalho, sobreposições entre bem estar mental e sexual, meditação e muito mais. A lista crescente de especialistas e parceiros inclui organizações como a Drug Policy Alliance, a ThriveNYC e o grupo de defesa juvenil Open Mind Gymm, a Jody Adewale (psicóloga clínica e ex-viciada em opióides vista em Surviving R. Kelly) ou Jenny Yip (psicóloga clínica, autora e especialista em ansiedade), a terapeuta e autora Natasha Daniels, a educadora sexual Davondra Brown, entre outros.

“Quanto mais cedo os líderes de saúde mental começarem a trabalhar juntos, mais rápido podemos aliviar o sofrimento”, disse Anastasia Kuznetsova, co-fundador da organização em comunicado. Lauren O’Shaughnessy, outra co-fundadora reitera: “Após quatro anos no espaço de saúde mental, percebemos que a comunidade carece de um centro educacional singular. O que esperamos criar com a nossa programação ao vivo é um ponto de compilação de conteúdos para a comunidade de saúde mental, onde as pessoas podem hospedar, assistir e contribuir com programas que abrangem uma ampla gama de tópicos e experiências, não apenas aqueles que estamos acostumados a ouvir.”

O novo site também incluirá ainda uma biblioteca renovada de recursos educacionais, incluindo informações detalhadas sobre mais de 30 condições mentais, vídeos com curadoria de advogados e especialistas, um diretório de recursos enviado pela comunidade e oportunidades de voluntariado.

“Queremos discutir coisas que não estão a ser discutidas, alcançar pessoas que não estão a ser alcançadas e incentivar a nossa comunidade a envolver-se no processo”, diz Anastasia Kuznetsova, cofundadora e diretora criativa.

 

Milhares de pessoas seguem o Shifter diariamente, apenas 50 apoiam o projecto directamente. Ajuda-nos a mudar esta estatística.