RuPaul pode estar envolvido em controverso negócio de fracking e os fãs não estão contentes

O criador e apresentador da série do Netflix 'RuPaul's DragRace', figura de proa da comunidade LGBTQ e um público activista contra a crise climática, admitiu ceder licenças de exploração de combustíveis fósseis na sua fazenda. Investigação aponta que em causa podem estar poços de fracking.

( via Flickr/DVSROSS CC BY 2.0)
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

RuPaul pode ser um nome desconhecido para muita gente mas para tanta outra simboliza um ícone. Criador e apresentador da série do Netflix, RuPaul’s DragRace, o actor, drag queen, modelo e cantor, tornou-se numa figura de proa da comunidade LGBTQ acumulando centenas de milhares de fãs que acompanhavam o reality show ou o seguiam de outras paragens da sua já longa carreira. Contudo, muito recentemente, RuPaul fez uma revelação com que poucos contavam — apesar da sua faceta progressista e de a política norte-americana ser um tema central no seu programa (com muitas críticas a Donald Trump incluídas), e de até já ter organizado festas com a crise climática como tema, o norte-americano assumiu, muito naturalmente, que no seu gigante rancho em Wyoming fazem exploração de minerais e combustíveis fósseis.

Foi durante uma entrevista a Terry Gross do NPR Fresh Air que a entrevistadora quis saber mais sobre o que se passava na fazenda de RuPaul, perguntado-lhe se tinha cavalos ou uma porção agricultura; e foi em resposta a isto que o artista explicou que a sua propriedade era moderna, do século XXI, explicando em seguida como era explorada.

“É uma fazenda moderna, do século 21, é à base de gestão da terra (…) Cedes os direitos de exploração de minerais a companhias de petróleo. E vendes água às empresas de petróleo. E cedes os direitos de exploração agrícola a vários agricultores. Por isso é gestão de terra, sim.”

A resposta passou sem grande reação da entrevistadora mas o mesmo não aconteceu online, nomeadamente a Rory Solomon, um candidato a PhD na Universidade de Nova Iorque sinalizando pela publicação Gizmodo. O internauta estranhou as declarações e quis saber mais pormenores sobre a tal fazenda, acabando por descobrir online através da plataforma FracTracker que a fazenda do drag RuPaul era afinal um dos pontos quentes da exploração através de fracking — uma técnica de exploração de minérios altamente controversa pelos possíveis efeitos adversos.

A mesma investigação da Gizmodo que sinalizou Solomon deu continuidade à história e acabou por descobrir mais pormenores que adensam a suspeita sobre RuPaul poder estar envolvido no polémico negócio do fracking, nomeadamente através do seu companheiro, Georges LeBar. A Le Bar Ranch, empresa em seu nome tem, alegadamente, contratos com três companhias petrolíferas, Anadarko E&P Onshore, Chesapeake Operating, e a Anschutz Oil Company — que, segundo a investigação através do FracTracker são responsáveis por 35 poços de petróleo e gás nas propriedades em questão.

O que torna a história especialmente caricata não é o simples facto de RuPaul usar a sua fazenda para fazer dinheiro, algo perfeitamente legítimo e que até poderia passar pela exploração de minerais. A questão prende-se sobretudo com o facto de estas empresas utilizarem a técnica de drilling ou fracking acima mencionada. Esta técnica tem sido amplamente criticada nos últimos anos por emitir níveis consideráveis de metano, um gás ainda mais prejudicial ao aquecimento global do que o carbono, bem como poluentes para o ar e para a água que podem contaminar as pessoas na envolvente.

 

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.