SOS Vizinho: o projecto português que quer juntar voluntários para apoiar os grupos de risco

“No andar, no prédio, no bairro, na freguesia. Vamos ajudar quem precisa”. Este é o mote do novo projeto.

Photo by Nick Karvounis on Unsplash
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Com uma pandemia anunciada, a Direção Geral da Saúde (DGS) aconselha todos os portugueses incluídos nos grupos de risco a não saírem à rua. De forma a ajudar estas pessoas, nasceu o projeto SOS Vizinho, cujo objetivo passa por criar uma rede de distribuição composta por voluntários. Uma ideia de Henrique Paranhos que em menos de 24h juntou mais de 50 pessoas de todo o país, mobilizados por esta causa.

Todos os dias, são partilhadas nas redes sociais várias publicações de ajuda aos idosos e doentes crónicos. “Surgiu-me aqui uma ideia de criar um projeto para apoiar pessoas dos grupos de risco e que têm dificuldade ou não devem sair de casa para ir as compras”, começou por escrever Henrique Paranhos na sua página pessoal do Facebook. Dois dias depois, SOS Vizinho ganha identidade e já existe online.

A organização pretende iniciar os trabalhos em breve. “As dezenas de pessoas que se juntaram remotamente à equipa inicial de gestão do projeto estão a apoiar as áreas de Logística, Institucional, Jurídica, Compliance, Voluntários, Web Development e Comunicação, para concretizar o seu principal objetivo: suprir as necessidades básicas dos mais vulneráveis neste momento de crise”, pode ler-se em comunicado.

Os voluntários poderão inscrever-se através do site do projeto, onde “será disponibilizado um Manual do Voluntário e são também relembrados os procedimentos de segurança nos vários cenários, desde a receção do pedido de apoio até à sua concretização”. O papel do voluntário está divido em quatro passos: receber o pedido, realizar a compra, entregar o pedido no domicílio e receber o pagamento.

O beneficiário também tem lugar reservado no site, onde poderá pedir ajuda e requerer bens essenciais sem abandonar a sua casa. Além disso, para quem não tem acesso à internet, a organização “está também a trabalhar para a criação de uma linha de apoio telefónico”.

A ideia continua a crescer e pretende criar diferentes parcerias com outros órgãos e entidades de proximidade com aqueles que devem permanecer em isolamento social. Neste momento, os organizadores garantem que o SOS Vizinho é do conhecimento do Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social e já possui o apoio da CASES. Algumas das funcionalidades ainda não estão totalmente operacionais mas espera-se que em breve tudo esteja a correr a 100% pronto a ajudar quem necessita.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.