E se em vez de fazer à pressa, aproveitássemos o tempo extra para pensar?

Os apoios do estado ou de outras instituições à Cultura são uma componente essencial deste esquema e partem de um ponto de preparação prévia, permitindo em alguns casos sustentar artistas e estruturas mesmo sem público no dia-a-dia. Mas os constantes directos, pelo Instagram ou pela televisão, vão no sentido inverso convocando uma atitude tanto escapista quanto conformista que se recusa a encarar o problema como ele é e a usá-lo como pretexto para pensar profundamente na organização do sistema.

Foto de Yohann LIBOT via Unsplash
 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

A quarentena e a necessidade de isolamento social são uma novidade para todos nós. Os tempos em que somos aconselhados pelas autoridades de saúde a ficar em casa demandam alguma adaptação e aquilo que se perdeu pelo caminho, como as dezenas de eventos cancelados, ajustes. É preciso ajudar os sectores mais frágeis, nomeadamente artistas, técnicos e equipas de produção, mas também outros profissionais precários. Como sugere o Gerador numa das suas reportagens, o vírus pôs a descoberto as fragilidades de um sistema cultural em desenvolvimento.

Na pressa do recobro surgem os directos no Facebook e Instagram como possível solução – e se a princípio a ideia soou bem e as primeiras iniciativas pareceram espontâneas e honestas, não deixa de me inquietar observar uma certa complacência e aceitação de um novo normal.

A ideia de que um artista, uma editora, uma revista ou outra instituição de menor escala possa aceder a ferramentas para fazer um directo por sua conta e risco não é algo sobre o qual tenha sequer direito à discórdia, cada um aproveita o tempo como quer e há sempre quem se interesse por mais um concerto em 9:16 num ecrã de telemóvel. Contudo, esta tendência para, em bom português, nos desenrascarmos, parece fundar-se numa certa atitude escapista que não encara os fenómenos como eles são e portanto não se prepara para a hipótese de se repetirem.

Como dizem Harari ou Snowden, o vírus é uma coisa transitória, o seu ciclo de vida será visto como efémero quando sobre hoje se volverem 10 ou 15 anos; estamos fechados em casa há pouco mais de 20 dias; mas agimos como se o tédio já fosse insuportável, como se esta condição se tivesse de tornar um novo normal e como se não pudéssemos projectar, planear e construir coisas para o futuro. Em certos casos preferimos até travestir a incerteza de infantilidade e ridicularizar o problema, como se não fosse extraordinariamente natural. E é esta atitude que temo que não contribua para criar uma maior resiliência nos sistemas.

Olhando para a Europa vemos, vinda da Alemanha, a mensagem de que a forma mais eficiente de lidar com o vírus foi antecipando a urgência. Em vez de esperar pela emoção e o sentido de urgência que as imagens vindas de Itália ou Espanha transportavam até à casa de cada um, incluindo ministros e outros que tais, os alemães dizem ter começado a comprar material quando o surto ainda estava na China. Esta atitude que pouco parece ter a ver para o caso mostra a forma fundamental como a Alemanha tentou fortalecer o seu sistema, precavendo-se, em vez de agir em reação, desenrascando-se. O mesmo raciocínio se pode aplicar a uma série de outras áreas incluíndo à cultura.

Os apoios do estado ou de outras instituições são uma componente essencial deste esquema e partem, ao fim ao cabo, desse ponto de preparação prévia, permitindo em alguns casos sustentar artistas e estruturas mesmo sem público no dia-a-dia. Mas os constantes directos, pelo Instagram ou pela televisão, vão no sentido inverso convocando uma atitude tanto escapista quanto conformista que se recusa a encarar o problema como ele é e a usá-lo como pretexto para pensar profundamente na organização do sistema. E porque me parece problemática esta atitude?

Fundamentalmente porque não assume as óbvias fragilidades do modelo de apoio à cultura – e a outros sectores – que fazem com que grande parte das estruturas que lhe dão origem sejam suportadas por falsos recibos verdes; porque não assume a grande desigualdade que existe entre artistas neste país, entre os que são estrelas e os que lutam por 5 minutos de protagonismo; porque não combate a marginalização da arte e da cultura no quotidiano dos portugueses; pelo contrário parece-me que toda esta ânsia por criar normalidade na urgência desvirtua o potencial de reflexão que um momento como este pode representar, ignora-o. E isso pode ter um custo.

Há poucas horas, fora anunciado um festival de música no canal 444 da televisão por cabo e na RTP Play, promovido pelo Ministério da Cultura, com um orçamento de 1 milhão e um alinhamento em que artistas se vão nomeando entre si para actuar – sem um critério que vise colmatar as dificuldades ou qualquer articulação lógica que fomente a resiliência do sistema. Há poucas horas também publicámos aqui no Shifter sobre uma iniciativa da Chéquia e comparando as duas termino, traduzindo a diferença de atitude dos eventos. Sem querer com isto elogiar a política cultural checa que desconheço por completo. Na Chéquia, a responsável cultural de Praga, em parceria com uma empresa de eventos, criou um festival em que cada espaço pode criar o seu evento inexistente e vender bilhetes, por um preço tabelado – esta forma de trabalhar que não é perfeita tem características que me parecem importantes de incluir no nosso pensamento sobre o modelo cultural. É descentralizada, não depende de uma entidade que reúna apoios e distribua, nem a candidaturas burocráticas, e não compromete, nem se propõe a comprometer, a qualidade do produto cultural em prol de uma lógica de urgência financeira, e não dá trabalho – não implica a mobilização de pessoas, a criação de infra-estruturas, nem de plataformas de streaming que só servirão enquanto a urgência durar.

Tudo isto me parece mais do que simplesmente criticável, porque não é esse o ponto nem o tom que quero assumir neste artigo, matéria para uma reflexão profunda sobre a forma como lidamos com problemas. Da história conhecemos os tempos em que transformámos marés em mostrengos e por tempos os evitámos, crentes em convicções que hoje soam infantis – é óbvio que não existem gigantes monstros marinhos para qualquer adulto são. Proponho que não os criemos aqui, que continuemos a navegação, que circundemos a tempestade, mas que não mudemos de rota. Se o vírus é perigoso, se o caso é urgente, a norma da história quase sempre, mais tarde ou mais cedo, se adapta e ajusta tendendo para uma vida melhor… para todos.

O que me parece mais importante neste momento é percebermos as falências dos sistemas em caso de ruptura como a que vivemos, socorrer de modo igualitário todas as pessoas que precisem de ajuda para manter uma vida digna, porque são várias, de várias áreas; no meio disto pensar em formas inovadoras de apoio que estimulem, claro, a entre-ajuda entre os vários sectores da sociedade, que eliminem o peso da burocracia e protejam as excepções inadmissíveis, como aquelas de que André Gago nos fala neste seu post de Facebook.

Todos sabemos que ninguém estava preparado para este momento e que não é fácil para ninguém saber o que fazer quando todas as condições se alteram. Contudo é nestas alturas que a criatividade na gestão é mais importante, sob pena de como solução propormos ideias que replicam modelos desiguais e discriminatórios; que se propõe, e bem, a ajudar aqueles que nesta situação sensível mais precisam mas podem falhar redondamente nos critérios de deteção dessas necessidades.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.