Criou uma cidade fictícia chamada Dorobō para provar um ponto

Dorobō não existe, mas no Nomad List, um site que reúne informação sobre diferentes cidades com um detalhe impressionante, é uma cidade real que outros sites já copiaram.

Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Já pensaste mudar de cidade e andas meio indeciso sobre qual escolher? Ou és daqueles que não consegue ficar sempre no mesmo sítio e gosta de levar uma vida mais nómada que sedentária? O Nomad List é um recurso online que te pode ser bastante útil. Este site lista várias cidades pelo mundo fora, oferecendo o máximo de informação útil sobre cada uma.

De acesso gratuito, o Nomad List é uma lista a pensar nos novos nómadas digitais, pessoas que não chamam casa à sua cidade e que não gostam de ter um escritório; trabalham em qualquer lado, desde que se sintam bem e haja ligação à internet.

Toda a informação nesta plataforma está em constante actualização e é de confiança, pois provém de fontes fidedignas. Excepto uma. Pieter Levels, criador do Nomad List (e também de outra plataforma chamada Remote OK), decidiu inventar uma cidade japonesa para perceber quem extraia informação do seu site. Chamou-lhe Dorobō, palavra japonesa que significa “roubar”; deu-lhe uma localização no mapa e inventou informação, garantindo que esta não favorecia muito a cidade fictícia. A tolerância racial e LGBTQ+ é má, a vida nocturna também, o custo de vida está acima dos 3 mil mensais e a felicidade é “okay”. Quem visita Dorobō não costuma regressar e o melhor espaço de coworking chama-se “Steal Space” (“Roubar Espaço”).

E não é que houve sites a pegar em Dorobō? De acordo com um tweet de Pieter Levels, “agora, lentamente, Dorobō está a aparecer em sites de toda a web”. Nesse tweet, Pieter mostra um screenshot de um site de viagens que permite comparar preços, chamado Tripcost, e outro screenshot de um site que permite pesquisar destinos que podemos visitar com o nosso passaporte, chamado Visabug.

E assim fica provado um ponto. Na internet vão surgindo novos directórios e portais de informação que, apesar de terem ideias distintas, vão buscar informação a terceiros, já disponível online. Muitos desses novos sites são destacados no Product Hunt, bebendo de uma nova filosofia de empreendedorismo digital em que jovens programadores e designers procuram aquele próximo sucesso no mundo da web. É legítima essa sede e faz parte da internet a inspiração noutros sites, mas é precisa cautela também.

O que é o Nomad List?

O Nomad List recebe informação em tempo de real de diferentes fontes e mostra-a em páginas organizadas para cada cidade. Quão rápida é a internet, como é a temperatura e qualidade do ar, como são os níveis de felicidade, a tolerância racial ou a liberdade de expressão, como é o custo de vida ou acesso à saúde… estes são alguns dos dados que o Nomad List mostra com um nível de detalhe impressionante. Por exemplo, é possível saber quanto custa um café ou um jantar fora, quanto se paga de impostos consoante os rendimentos e qual o custo da habitação. Há ainda uma lista de pros e contras, um mapa que ajuda a entender a cidade e os diferentes bairros e uma lista dos diferentes espaços de coworking existentes na cidade, entre outras informações.

O Nomad List reúne mais de um milhão de pontos de dados sobre mais de 2500 cidades à volta do mundo, para dar aos visitantes uma ideia de onde é melhor para viver, trabalhar ou mesmo viajar. O site faz ainda um ranking das melhores cidades com base numa pontuação chamada “Nomad Score”, que tem em conta diferentes variáveis como as já descritas; Canguu, Bali, aparece neste momento em primeiro lugar, seguido de Lisboa, Budapeste, Chiang Mai, na Tailândia, Buenos Aires, Berlim, Ko Pha Ngan, também na Tailândia, Belgrado, Cidade do México e, por fim, na 10º posição, Terrife, nas Canárias, Espanha.

O site é de acesso gratuito, mas há uma versão paga de 10 dólares mensais que permite encontrar no site outros nómadas digitais, aceder a funcionalidades exclusivas e entrar numa comunidade exclusiva no Slack.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.