Novo Governo do Sudão proíbe mutilação genital feminina

O projeto de lei aprovado pelo Governo a 22 de abril estipula a sentença de três anos de prisão para quem realizar a operação. Especialistas alertam, no entanto, que uma lei por si só não é suficiente para acabar com a prática, intimamente ligada a crenças culturais e religiosas.

Imagem ilustrativa vida VOA (Domínio Público)
 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

O novo Governo do Sudão proibiu oficialmente a mutilação genital feminina, e prepara-se para aprovar uma lei que passará a criminalizar a prática, uma medida aplaudida pelas activistas dos direitos das mulheres num país onde a prática frequentemente perigosa está profundamente enraizada no país.

O Sudão tem uma das maiores taxas de MGF do mundo. Segundo a ONU, 87% das mulheres sudanesas foram submetidas à prática. A maioria das meninas são submetidas à prática entre os cinco e os 14 anos de idade. Mas a partir de agora, quem exercer a mutilação genital feminina enfrenta uma possível pena de prisão de três anos.

O conselho de ministros aprovou a nova lei no dia 22 de abril, mas o projecto ainda precisa de ser aprovado pelos membros do conselho soberano, órgão recente criado apenas após a queda do ex-Presidente do país Omar al-Bashir, há pouco mais de um ano. O porta-voz do primeiro-ministro Abdullah Hamdok, Al Barag al Nazir, disse à agência Efe que o Governo espera ver a lei aprovada nos próximos dias. Segundo Al Nazir, o projeto de lei estipula, além da sentença de três anos de prisão, a retirada da licença do hospital, centro de saúde ou clínica particular onde a operação foi realizada.

Uma vitória humana e política

Para as Organizações de Direitos Humanos que acompanham a política sudanesa nos últimos anos, este é um novo passo na transição do país para a democracia e no respeito dos direitos básicos, após a expulsão do poder de Omar al Bashir, há pouco mais de um ano.

A UNICEF saudou entretanto o “gesto histórico” e afirmou que, após esta etapa, o país “entra numa nova era”. Em declarações ao The New York Times, Salma Ismail, porta-voz do Fundo das Nações Unidas para a Infância em Cartum, capital do Sudão, disse que “a lei ajudará a proteger as meninas dessa prática bárbara e permitirá que elas vivam com dignidade”.

“[A nova lei] também ajudará as mães que não querem submeter as suas filhas [à prática], mas sentem que não têm escolha, a dizer ‘não’. (…) Agora há consequências”.

Também ao NYT, Nimco Ali, da Five Foundaiton, organização que luta pelo fim da mutilação genital feminina em todo o mundo, reconheceu a importância política e humana da decisão: “Este é um passo enorme para o Sudão e para o seu novo governo. (…) África não pode prosperar a menos que cuide das suas meninas e mulheres. Estão a mostrar que este Governo tem dentes.”

Especialistas alertam, no entanto, que uma lei por si só não é suficiente para acabar com a prática, que em muitos países está intimamente ligada a crenças culturais e religiosas, e é considerada um pilar da tradição e do casamento, apoiada por mulheres e homens.

“Não se trata apenas de reformas legais”, refere Salma Ismail, da UNICEF. “Há muito trabalho a ser feito para garantir que a sociedade aceita a medida”.

Além da lei, a religião

A mutilação genital é praticada em pelo menos 27 países africanos, bem como em zonas da Ásia e do Oriente Médio. Além do Sudão e do Egito, o maior número de casos concentram-se na Etiópia, Quénia, Burkina Faso, Nigéria, Djibuti e Senegal, de acordo com o Fundo de População das Nações Unidas.

No Egito, por exemplo, o corte genital feminino foi proibido em 2008 e a lei foi alterada em 2016 para criminalizar médicos e pais que facilitem a prática, com penas de prisão de até sete anos para quem realiza a operação e até 15 se dela resultar algum tipo de incapacidade ou a morte da mulher operada.

No entanto, os processos judiciais são raros e a prática continua a acontecer, silenciosa e clandestinamente, com 70% das mulheres egípcias entre os 15 e 49 anos a serem submetidas à prática, muitas antes até de atingirem os 12 anos, de acordo com dados das Nações Unidas.

À medida que as campanhas globais e locais para acabar com a prática foram crescendo nos últimos anos, comunidades de várias religiões começaram, lentamente, a rejeitar a mutilação genital feminina como o ritual de passagem que a justificou durante anos, e em vários casos, foram adoptando cerimónias alternativas de iniciação, com ajuda de activistas no terreno. Um desses programas de intervenção, no grupo étnico dos Maasai, no Quénia, onde a prática foi proibida desde 2011, ajudou a salvar pelo menos 15.000 meninas.

No Sudão, a maioria das mulheres sofre o que a Organização Mundial de Saúde chama de circuncisão Tipo III, uma forma extrema da prática em que os lábios internos e externos, e geralmente o clitóris, são removidos. A ferida é então fechada, numa prática conhecida como reinfibulação, que pode causar quistos, levar a relações sexuais dolorosas e impedir o orgasmo.

Para Ismail, da UNICEF, o momento de divulgação da nova lei “foi infeliz”, porque “o mundo todo está preocupado com o Covid-19”, e tal pode fazer com que a notícia e a mensagem não chegue ao número de pessoas desejado.

Ainda assim, as atitudes já estavam a mudar a algum tempo. Seis dos 18 estados do Sudão começaram a promulgar leis para restringir ou proibir a mutilação genital feminina, desde 2008, mas as medidas tiveram um sucesso limitado e não resultaram em nenhum processo ou acusação formal, de acordo com um relatório da 28 Too Many, um grupo de activistas para a causa.

Em 2016, Omar al-Bashir, o antigo Presidente do país que governou por três décadas, tentou introduzir uma lei nacional que proibia a prática, mas o esforço foi anulado por conservadores religiosos. Agora, o Governo de transição que substituiu al-Bashir, uma coligação de poder entre líderes civis e militares que concordaram em levar o Sudão às eleições em 2022, superou esse obstáculo.

Sob o actual Governo de Abdalla Hamdok, há cinco mulheres à frente de cinco ministérios, e já foram revogadas leis polémicas da era al-Bashir que ditavam, por exemplo, o que as mulheres poderiam vestir ou estudar, ou mesmo onde poderiam reunir-se em público.

A realidade política do país continua instável. Há relatos de tensões entre os líderes políticos e militares que agora conduzem o Sudão na sua viagem a caminho da democracia, alimentando o medo de um possível golpe militar, dentro do Governo de transição, mas mesmo assim, têm ocorrido mudanças significativas.

O Ministro para os Assuntos Religiosos, Nasr al-Din Mufreh, participou recentemente de uma cerimónia que marcou o Dia Internacional da Tolerância Zero à Mutilação Genital Feminina, assinalado a 6 de fevereiro. “É uma prática que o tempo, o lugar, a história e a ciência mostraram estar desatualizada”, disse, acrescentando que não há justificação no Islão, e que apoiava o objectivo dos ativistas de eliminar por completo a prática da mutilação genital feminina do Sudão até 2030.

Segundo as Nações Unidas, pelo menos 200 milhões de mulheres e meninas em todo o mundo foram submetidas ao corte total ou parcial de órgãos genitais por razões não médicas em pelo menos 30 países.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.