Conferências virtuais, o novo normal ou mais um sintoma passageiro?

No futuro pós-pandémico poderemos contar com formatos híbridos em que a participação real e virtual se confundem.

Foto de Grant via Unsplash
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Nas últimas semanas o número de conferências virtuais tem disparado um pouco por todo o mundo à medida que a indústria se adapta às regras de distanciamento social. Os novos formatos mostram sinais promissores de que é possível recriar algumas das interações humanas num contexto virtual, mas não passará a experiência virtual de um “nice-to-have” no mundo Pós-Covid?

A indústria das conferências tech e de negócio terá sido uma das primeiras a materializar o impacto da pandemia nas economias Europeias, quando em meados de Fevereiro foi anunciado o cancelamento do famoso Mobile World Congress.

O cancelamento do evento que este ano prometia trazer mais de 100.000 pessoas à cidade de Barcelona terá resultado em perdas avultadas na ordem dos 492 milhões de euros e na extinção de mais de 14.000 postos de trabalho temporário.

Desde então, as empresas organizadoras têm canalizado esforços no sentido de replicar virtualmente a experiência de participar numa conferência, convencendo empresas e participantes a trocar os grandes pavilhões pelo sofá lá de casa.

Plataformas de streaming como a On24, Vcast, Hopin ou Brella têm surgido como soluções end-to-end para o efeito – é possível aceder ao palco principal para ouvir apresentações e conversas, participar em workshops em “salas” secundárias, deambular entre bancas e expositores e até participar em momentos de networking em que as pessoas são conectadas de forma aleatória ou segundo grupos de interesse.

Re:Brand Couch Conference organizada pela The Next Web através da plataforma Hopin (screenshot de Muchammad Hidayat/Twitter)

Se à primeira vista as consequências para a economia parecem aterradoras – perdas nos setores da restauração, hotelaria e comércio local – a digitalização das conferências também trás consigo algumas vantagens.

Do ponto de vista ambiental, a pegada ecológica é reduzida em grande parte por via da diminuição do número de voos. Por outro lado, o número de pessoas que podem participar aumenta substancialmente porque a conferência deixa de estar limitada à lotação física dos espaços.

Existe ainda uma terceira vantagem associada à hiper personalização e interatividade. Como a experiência se desenrola virtualmente, a audiência consegue interagir com os speakers através de sondagens e perguntas em tempo real de forma simples. É também possível customizar programas e medir e avaliar com mais eficácia os níveis de interesse e envolvimento de cada participante, proporcionando uma experiência à medida de cada um.

Estas são algumas das características que contribuem para a democratização da acessibilidade a este tipo de eventos. Deixa de ser necessário ter que gastar centenas de euros em bilhetes, voos e hotéis para poder participar, além de se poupar bastante tempo.

E por cá, o que podemos esperar?

Apesar de ainda faltarem alguns meses para a Web Summit, muitas são as incertezas em relação à sua realização, que está dependente do surgimento (ou não) de uma segunda vaga do vírus. De qualquer das formas, Paddy Cosgrave, organizador do Web Summit, já garantiu que o certame vai acontecer.

O cancelamento da conferência de tecnologia que nos últimos anos tem atraído mais de 70 000 pessoas à cidade Lisboa e, que segundo o relatório do Gabinete de Estratégia e Estudos da Economia do Ministério da Economia teve em 2017 um impacto estimado em 180 milhões de euros, seria uma grande machadada para a economia Nacional.

Para já nenhuma alteração ao formato da conferência foi anunciado. No entanto, a organização que tem como marca distintiva a aposta na tecnologia desenvolvida in-house, parece estar pronta para responder à altura do cenário mais pessimista depois de já ter garantido a realização da conferência Collision, do qual também é organizadora. A conferência destinada ao mercado Norte Americano vai realizar-se no final do mês de Junho em formato 100% virtual através da utilização de uma plataforma própria – “Our conference, our software”.

Independentemente do formato adoptado este ano e tendo em conta o avultado investimento público que garante a permanência da Web Summit em Portugal até 2028, seria interessante ver a empresa a dar um passo no sentido de alargar o número de pessoas que têm acesso à conferência, por exemplo, possibilitando a participação virtual de forma gratuita ou com um valor simbólico a certas camadas da população, em linha com algumas iniciativas que já têm vindo a ser desenvolvidas em edições anteriores.

As conferências no período Pós-Covid

A digitalização das conferências é uma tendência que já se verificava antes da pandemia e, que tal como muitas outras, se intensificou nos últimos meses.

Se por um lado o distanciamento social veio abalar os modelos de negócio vigentes nesta indústria e reforçar o valor das interações humanas, por outro, tem servido como um grande laboratório para a criação e experimentação de novos formatos capazes de chegar a mais pessoas, a qualquer hora, em qualquer lugar.

Apesar de grandes players como o Slush, The Next Web e South Summit terem adiado por alguns meses as edições anuais das suas conferências, é expectável que a oferta de uma experiência virtual integrada seja cada vez mais central na estratégia de monetização destas empresas.

Assim, no futuro pós-pandémico poderemos contar com formatos híbridos em que a participação real e virtual se confundem. O próximo horizonte em vista é o das conferências em realidade virtual, mas esperemos que os incentivos sejam outros que não os de uma nova pandemia.

Texto de João Barbosa

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.