Prémios Grammy alteram categoria “urban” após críticas

Ao longo dos anos foram-se somando as críticas aos Grammys em torno desta categoria, de artistas como Billie Eilish ou Tyler, The Creator, que descreveu o uso de “urban” na categoria como “uma forma educada de dizer a n-word”.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Esta semana, a organização dos Grammys anunciou algo há muito antecipado por diversos artistas musicais, em especial por músicos BIPOC (black, indigenous and people of colour): a partir da próxima edição da gala (a 63ª edição, a realizar dia 31 de Janeiro de 2021) o termo “urban” deixará de ser usado para designar uma categoria dedicada à música RnB onde anteriormente era empregue — ou pelo menos, o termo deixará de ter um uso tão visível e óbvio.

Anteriormente conhecida pelo nome “Best Urban Contemporary Album”, a categoria em questão passará agora a chamar-se “Best Progressive RnB Album”. A mudança encontra-se somente na sua designação, mantendo-se inalterado o seu critério de seleção: são aceites por esta álbuns que incorporam vários dos elementos integrantes do género RnB, tais como hip-hop, soul, música eletrónica, entre outros. O termo também foi removido da categoria “Latin Rock, Urban Or Alternative Album”, renomeada entretanto como “Best Latin Rock Or Alternative Album”.

Ao longo dos anos foram-se somando as críticas aos Grammys em torno desta categoria, de artistas como Billie Eilish ou Tyler, The Creator, que descreveu o uso de “urban” na categoria meramente como “uma forma educada de dizer a n-word”. O site The Establishment publicou em 2018 uma análise etimológica do racismo subversivo inerente à palavra “urban”, especialmente no contexto da entrega de prémios.

A Recording Academy justifica esta ação como uma forma de realçar a crescente inclusividade no ramo musical. Porém, o termo “urban” não desapareceu por completo do dicionário dos Grammys. A categoria “Latin Pop Album” passará agora a chamar-se “Best Latin Pop Or Urban Album”, uma suposta reflexão da crescente presença de indivíduos de descendência latina na comunidade urbana americana, mas que por sua vez contradiz a justificação dada para a remoção do termo nas outras duas categorias.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!