28º Jornal Mapa destaca a discriminação racial e a violência policial

Está aí um novo Mapa para ler e percorrer! Podes adquirir o teu exemplar por 1,5 euros.

 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Perante os repetidos e históricos episódios de discriminação racial e violência policial, em Portugal e no mundo, assistimos a poderosas demonstrações de repúdio, força e solidariedade. O Jornal Mapa, na sua edição 28 (Agosto-Outubro), apresenta um conjunto de reflexões em torno de questões como a negritude, o privilégio branco, o racismo e o abolicionismo, dando voz a quem luta quotidianamente contra o preconceito

Para uma arqueologia das ideologias identitárias, recuamos até aos mitos fundacionais da chamada portugalidade, desmontando as falsidades da história Celta e de Viriato, hoje ao serviço de nacionalismos e fascismos cada vez mais extremados.

Sobre o quotidiano pandémico das desigualdades sociais, esta edição assinala os despejos ilegais das casas ocupadas nos últimos meses e registamos aquela que foi a primeira concentração organizada por pessoas sem-abrigo em Portugal.

No campo, e na linha da frente da defesa pelos territórios, o jornal cobre, e uma vez mais, as lutas das populações contra a febre de mineração do lítio, ou as que procuram recuperar das radiações que ainda perduram das minas de urânio de outrora; assinala a destruição do litoral alentejano, de Tróia a Melides, na vertigem do turismo; e, no interior alentejano, a saúde das pessoas que vivem sufocadas no mar de olivais superintensivos. Neste Mapa olha-se ainda para a estratégia do hidrogénio, para a recordação do Rio Tua na luta, ainda presente, pelos rios livres e selvagens e fala-se das ervas vagabundas nas nossas ruas.

Há ainda uma entrevista a Euclides Mance em relação aos circuitos económicos solidários, à fotógrafa Urzula Zangger recordando a arte humana de Vieira da Silva e do Arpad Szenes, ao pianista Tiago Sousa num diálogo com Kierkegaard sobre a crise pandémica e a Júlio Henriques sobre a revista Flauta de Luz. E mais há para descobrir neste número do Jornal Mapa, que surge nas vésperas da edição do livro Transumano Mon Amour – Notas sobre o Movimento H+, as crónicas de Andrea Mazzola publicadas neste Jornal entre 2015 e 2019.

O Jornal Mapa está disponível de Norte a Sul do país em diversos pontos de venda e podes também recebê-lo em casa, de três em três meses, fazendo uma assinatura. O que não impede que dês um salto aos lugares inconformados onde podes encontrar estas 48 páginas trimestrais de informação crítica.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.