TheirTube: um site para saíres da bolha do YouTube

TheirTube é um site criado pelo programador Tomo Kihara com um fundo da Mozilla, que procura quebrar estas bolhas do YouTube que se formam na aplicação de cada um de nós.

 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Discretamente, o YouTube é uma das plataformas mais aditivas. Os seus algoritmos de recomendação puxam para a página inicial vídeos com base no nosso histórico de visualização – ou seja, quer espreites conteúdo de um determinado youtuber por curiosidade, quer comeces a ver vídeos sobre um assunto específico, depressa o YouTube te vai sugerir mais desses criadores e desses temas, tornando-se difícil saíres dessa bolha. Por mais conteúdo diversificado que o YouTube tenha e que possa despertar-te novos interesses, não será esse que te vai aparecer.

Mas o lado aditivo não é o único problema do algoritmo de recomendação do YouTube. Este pode ter implicações sociais e políticas graves.

TheirTube é um site criado pelo programador Tomo Kihara com um fundo da Mozilla, que procura quebrar estas bolhas do YouTube que se formam para cada um de nós. O portal, que tem um design e um conceito bastante apelativos, simula recomendações com conteúdos reais do YouTube para seis tipos de perfil diferentes: Frutariano (pessoas que praticam o frutarianismo, isto é, uma dieta baseada em fruta), Prepper (pessoa que acredita que uma guerra ou desastre está próxima), Liberal (que tem visões políticas liberais), Conservador (que tem opiniões políticas conservadoras), Conspiracionista (para quem é adepto de teorias da conspiração) e Negacionista Climático (aquele que acredita que as alterações climáticas são uma farsa).

De acordo com Tomo Kihara, os seis perfis foram criados a partir de informações recolhidas em entrevistas dos utilizadores do YouTube que se viram confrontadas com as suas próprias bolhas, e os vídeos mostrados no TheirTube foram retirados aleatoriamente dos canais que essas pessoas seguiam. “O algoritmo de recomendação do YouTube responde por 70% de todos os vídeos vistos na plataforma, e embora seja útil, também pode mostrar os mesmos pontos de vista repetidamente, amplificando as opiniões que tu já tens. Isso às vezes pode levar pessoas a ter ideias ou crenças radicais”, disse Tomo Kihara no Twitter.

O YouTube tem vindo a ser acusado de promover, por meio do seu algoritmo, conteúdos com visões extremistas que levam à radicalização de alguns dos seus utilizadores, sobretudo conspiracionistas ou de extrema-direita – nos EUA, os algoritmos podem ter contribuído para o crescimento da chamada alt-right. O YouTube está atento ao problema e disse estar a tentar resolvê-lo. Até lá, temos o TheirTube!

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.