Mark Zuckerberg terá influenciado Trump sobre o TikTok, avança WSJ

O dono do Facebook tem falado sobre o crescimento de empresas de tecnologia chinesas e como estas estão a ameaçar os negócios dos EUA. Este 'lobby' não terá sido feito apenas com o Presidente, mas também com outros oficiais do Governo dos Estados Unidos.

Official White House Photo/Joiyce N. Boghosian
 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Tanto em público como em privado, Mark Zuckerberg tem vindo a falar sobre o crescimento de empresas de tecnologia chinesas e como estas estão a ameaçar os negócios dos EUA, personalizando a questão no TikTok. Na audiência com Congressistas norte-americanos, há um par de semanas, o dono do Facebook falou sobre isso mesmo nas suas notas inicias e, de acordo com o Wall Street Journal (WSJ), a mesma narrativa terá sido contada em privado numa reunião com o Presidente dos EUA, Donald Trump.

O WSJ escreve que, quando Zuckerberg e Trump se sentaram à mesa no passado mês de Outubro, um dos assuntos foi a ascensão do TikTok e de outras aplicações chinesas em comparação com tecnologia nascida e criada em território norte-americano. Contudo, este lobby não terá sido feito apenas com o Presidente, mas também com outros oficiais do Governo dos Estados Unidos.

Como aponta a publicação Input, não é possível saber quão influente é Mark Zuckerberg junto da Administração de Trump, mas o director executivo do Facebook é sem dúvida uma das figuras mais poderosas no sector tecnológico a nível mundial, controlando duas das redes sociais mais populares no mundo – o Facebook e o Instagram – e duas das aplicações de chat mais usadas – o Messenger e o WhatsApp.

Recorde-se que Trump anunciou este mês de Agosto a intenção de banir o TikTok dos Estados Unidos, tendo, mais tarde, dado à Microsoft o prazo de 45 dias para negociar com a chinesa ByteDance a aquisição da fatia norte-americana da popular aplicação de vídeo. Entretanto, o Facebook lançou no Instagram uma cópia quase perfeita do TikTok, chamada Reels; se o Reels se tornar tão popular quanto as Stories se tornaram, o Facebook poderá assim aniquilar o TikTok como fez com o Snapchat. Não é segredo nenhum que o Facebook considera o TikTok uma ameaça ao seu próprio negócio e à sua dominância no mercado.

O WSJ reporta ainda que Mark Zuckerberg se reuniu com “vários senadores” sobre a questão da recente e discreta ascensão chinesa no campo tecnológico. Um desses senadores terá sido Tom Cotton; no encontro, que terá decorrido em Setembro, falou-se sobre o TikTok constituir uma ameaça à segurança nacional. Um mês mais tarde, Tom Cotton e outro senador, Chuck Schumer, escreveram uma carta conjunta sobre esse tema.

O mesmo jornal cita Kelli Ford, uma porta-voz do senador Josh Hawley, que aponta que o TikTok está a ser usado como distracção para o Facebook escapar (uma vez mais) à regulação iminente por se tratar de um gigante com tendências monopolísticas. Ford acrescenta que este alarmismo por parte de Zuckerberg e da sua equipa – que tem um grupo de advocacia, American Edge, junto de Washigton DC – é uma “táctica de Relações Públicas para impulsionar a sua própria reputação”.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.