China e Rússia entram, Arábia Saudita sai: Conselho de Direitos Humanos da ONU tem novo alinhamento

Críticos sugerem que a forma como as eleições são feitas, muitas vezes preparadas em negociação para que determinados países concorram sem oposição na sua região, enfraquecem o estatuto do conselho da ONU.

Conselho de Segurança da ONU
Foto de Neptuul/CC BY-SA 3.0
 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Estão anunciados os países membros do Conselho de Direitos Humanos da ONU. A China e a Rússia são as duas grandes potências que se juntam à lista de países deste conselho, numa eleição que fica marcada pela derrota da Arábia Saudita, apostada em manter o lugar que ocupara no último termo do conselho. O anúncio foi feito ontem, dia 13 de Outubro, e desde então não têm parado os sinais de contestação a esta eleição, sempre controversa e que a cada ciclo deixa novas dúvidas sobre a credibilidade do organismo.

Os lugares para o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas são distribuídos por candidatura e eleição de países representantes de diversas zonas geográficas do planeta. Neste ano, à excepção da região da Ásia e Pacífico, todos os proponentes ficaram os cargos, dispensando assim as votações por falta de oposição. Já nessa região, a votos, a Arábia Saudita foi a grande derrotada, ao ser ultrapassada por Uzbequistão, Paquistão, Nepal e China, na corrida a 5. Dos 193 votos possíveis, de todos os países presentes na ONU, a Arábia Saudita atraiu apenas 90 votos, ao passo que o Nepal chegou aos 150 ficando com a última cadeira disponível para aquela região, falhando assim a re-eleição depois de ter conquistado o lugar em 2017.

Arábia Saudita foi eleita para Comissão dos Direitos das Mulheres da ONU

Críticos sugerem que a forma como as eleições são feitas, muitas vezes preparadas em negociação para que determinados países concorram sem oposição na sua região, enfraquecem o estatuto do conselho. Louis Charbonneau, responsável pelas Nações Unidas na Human Rights Watch chamou a atenção para o facto de eleições sem oposição porem em causa a credibilidade da instituição, apontando o dedo às áreas onde o número de candidatos foi apenas o número de lugares disponíveis, como no caso da eleição da Rússia e Ucrânia e da França e Reino Unido, nas respectivas regiões.

A eleição de 2020 acabou por surpreender os activistas por deixar de fora a Arábia Saudita, acusada de diversas violações dos direitos humanos. Ainda assim, países frequentemente alvo de acusações no mesmo domínio, como a China, pelas políticas repressivas ou a perseguição da minoria Uigure, a Rússia, recentemente acusada de envenenar o político de oposição Alex Navalny, o Paquistão, acusado de restringir a liberdade de expressão em larga escala, ou Cuba, país de onde continuam a surgir notícias de perseguição a opositores políticos.

Para observadores das eleições, nenhum resultado é verdadeiramente surpreendente. Vladimir Kara-Murza, dissidente russa que diz ter sido envenenada duas vezes pelo regime de Putin, lembrou que em alturas especialmente conturbadas países como a Líbia, Sudão e Iraque fizeram parte do mesmo conselho da ONU.

Depois da eleição há sempre lugar para comunicados públicos sobre as intenções no desempenho do cargo. Nesse particular, a Rússia reiterou que é parte fundamental da sua política externa promover o respeito pelos direitos humanos, já a China deixou patente a ideia de que não deve haver um só modelo de respeito pelos direitos humanos e que há sempre espaço para melhorar de acordo as necessidades especificas de cada país e população.

De recordar que o Conselho da ONU a 47 renova-se a cada 3 anos e que cada país pode, no máximo, concorrer a 2 mandatos consecutivos para promover a rotação de países representados. O Conselho de Direitos Humanos tem como missão a promoção de iniciativas que os reforcem, bem como uma revisão periódica do cumprimento dos mesmos nos 193 países integrantes das Nações Unidas.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.