Playing w/ Stupidity: um projecto artístico sobre o ser humano alienado pela tecnologia

O artista Cardoz (João Cardoso) e o designer 3D Narso (Bernardo Fernandes) juntaram-se para criar 'Playing w/ Stupidity', uma exposição que pretende retratar a dependência que temos da tecnologia.

 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

O tema da desinformação e da propaganda política assume uma relevância cada vez maior na nossa vida em sociedade. Ao mesmo tempo, cresce também a consciencialização para o controlo subtil a que todos acabamos por estar sujeitos através dos aparelhos eletrónicos que nos acompanham no dia-a-dia. Foi a pensar nessa evolução do ser humano alienado pela tecnologia que o artista Cardoz (João Cardoso) e o designer 3D Narso (Bernardo Fernandes) criaram “Playing w/ Stupidity”, uma exposição que começa hoje, dia 1 de Outubro, em Lisboa, e sobe ao Porto no final do mês.

“Até quando podemos ser designados seres humanos?” é a pergunta de partida da colaboração entre os dois artistas que, através de esculturas e quadros, fazem um retrato da dependência que temos da tecnologia, contemplando o presente ao mesmo tempo que perspectivam o futuro, para levar os espectadores a questionar o livre arbítrio por detrás das suas ações.

Falámos com ambos para perceber de que modo a arte se cruza com o modo como hoje se olha para tecnologia e de que forma se imiscui nas discussões em torno de temas como os monopólios dos gigantes tecnológicos, as polémicas sobre invasão de privacidade digital e a epidemia de desinformação.

View this post on Instagram

PLAYING w/ STUPIDITY – Exhibition by me @card.oz and my man @n.arso. Vernissage Thursday, 1st of October at 19h (Guests will be counted in order to comply with social distancing regulations regarding COVID-19). Due to the recent safety procedures we advise that an eventual wait to access the exhibition may happen. This period should never go beyond 15 minutes. 1st to the 18th until the October 2020 – Rua do Beato nº30, Lisbon 22nd of October until the 8th of November 2020 – Hard Club, Oporto Until when can we be called human beings? Following “Criaturas”, “Unlove” and most recently “Why Standing Still?” exhibitions, the artist Cardos, in collaboration with 3D designer Narso, promote a reflection on the present with a message for the future. Technological development is currently essential for the plants’ development, bringing instantaneous communication tools to each of us that take our ideas and opinions to anywhere we wish. Does that make us relevant or just trick us into “selling” our information toward larger interests? Currently technology is an extension of our being and if we accept as true what comes from it, that will become our new reality. This exhibition was created and produced in its entirety at @co.op and has the support of @faded.pt, @hardclubporto, @rom_boats and @vpa_legalgroup . This is a public event. For any further enquiries please don’t hesitate to contact us at cardoz.info@gmail.com #hypebeast #hype #exhibition #art #popart #pop #cardoz #work #artist #3d #movie #film #expo #modern #set #lisbon

A post shared by Cardoz (@card.oz) on

“Há um ditado clássico que diz ‘Se não pagas pelo produto, então, és o produto’. Com Playing w/ Stupidity pretendemos abanar o público e mostrar-lhe o que acontece quando não se está consciente deste lado mais sombrio da tecnologia, se é imprudente, se rotula toda a informação veiculada na internet como verdadeira e se cai nas teias binárias da manipulação do século XXI”, dizem. Mas e que estupidez é essa, que mereceu ser título do projecto? “A estupidez, ou o paradoxo, se quisermos ser politicamente corretos, é que, ainda que a tecnologia seja efetivamente fundamental para muitas frentes da nossa vida – falo, por exemplo, nos hospitais a salvar vidas ou nas escolas a apoiar o ensino -, é também frequentemente uma dependência que elimina o valor do contacto humano.”

“Por mais pervertido que seja, muitas pessoas perdem-se nas redes sociais a idolatrar a “vida perfeita”, acham elas, dos outros, apenas para se sentirem diminuídas. Daqui advêm frustrações e ansiedades desnecessárias que, no limite, sabotam a sua própria existência. A sensação de ultraconexão trazida pela tecnologia é uma farsa. Cada vez mais vivemos na nossa bolha, mergulhados num ecrã e alheados do que nos rodeia.”

Para Cardoz e Narso, expor a sua arte é uma forma de literalizar essa absurdidade para que a tal estupidificação chegue mais facilmente à consciência do público. “Se as pessoas se identificarem e se aperceberem que aquilo que compomos também as representa de algum modo, grande parte da missão está cumprida. A mudança advém, muitas vezes, de um primeiro embate com a realidade despida de ilusões. Contudo, em última instância, mais do que a consciencialização apenas, queríamos desencadear a ação e levar as pessoas a reequacionar a sua relação com a tecnologia e a geri-la melhor, impondo barreiras.”

“A realidade é que a qualquer dispositivo tecnológico é um facilitador. Entre as muitas funcionalidades da tecnologia disponível para a maioria de nós, contam-se, por exemplo, o facto de podermos interagir com pessoas por mensagens em vez de presencialmente ou pedir comida sem sair do conforto de nossa casa ou sem ter de interagir com alguém.”

Cardoz e Narso falaram-nos ainda dos facilitismos da tecnologia e da forma como como essa tendência pode vir a tornar-nos constantemente menos capazes: “Naturalmente, este tipo de facilitismos dificultam o crescimento porque raramente saímos da nossa zona de conforto visto que temos quase tudo disponível com apenas alguns cliques ou aplicações. Nesse sentido, sim, uma vida facilitada e estupidificada pela tecnologia pode facilmente prender-nos à nossa infância – somos levados a pensar menos e acabamos por nos demitir de ter pensamento crítico. Ficamos à mercê de uma qualquer orientação, como se de crianças nos tratássemos.”

A inauguração de Playing w/ Stupidity está marcada para hoje, dia 1 de outubro, pelas 19 horas, na Rua do Beato n.º30, e tem o Porto como próxima paragem no final do mês, onde ficará de 22 de outubro a 8 de novembro, no Hard Club.

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.