“Desfod*m” a Internet: o apelo da Mozilla

Aproveitamos para dizer que apoiar uma internet mais humana, é também apoiar projectos como o Shifter que dependem dos seus leitores para exisitir. Por isso, se acreditas numa internet melhor, considera apoiar-nos ou, pelo menos, mostrar o teu amor por nós.

 
Este artigo é gratuito como todos os artigos no Shifter.
Se consideras apoiar o nosso trabalho, contribui aqui.

Há muito tempo que a Mozilla é uma das empresas tecnológicas mais assente sobre os valores de uma internet livre e ética, com respeito pela privacidade, e sem estratégias aditivas que tornem os utilizadores reféns. Volta e meia volta a comunicá-lo, sempre com uma abordagem muito prática: ora em forma de listas de presentes que respeitam a privacidade, ora com truques e dicas do que os utilizadores podem fazer para uma navegação mais pacífica. Desta vez fez uma mistura dos dois, numa altura curiosa. A empresa anunciou há pouco tempo o despedimento de 250 empregados e uma redefinição da estratégia que lhes permitisse maior desafogo financeiro.

Unfck the internet é uma landing page em que a empresa assume que a internet está fodid* e que é preciso dar passos atrás em alguns dos caminhos que têm sido traçados até aqui. Entre os pontos mencionados há referência a quase todo o tipo de problemáticas a que a Mozilla costuma responder, e uma boa dose de auto-promoção dos serviços da empresa, diga-se.

O primeiro ponto é dedicado aos anúncios políticos que, a semanas das eleições norte-americanas ,começam a inundar a internet e que são detectados pelo Ad Observer, uma extensão para o navegador Firefox, da Mozilla, claro está. Esta extensão desenvolvida pelo Online Political Transparency Project da Universidade de Nova Iorque, faz um importante trabalho de combate à micro-segmentação. Quando instalada, partilha com uma rede de jornalistas e outros analistas os anúncios que passam no feed de cada utilizador, permitindo assim perceber que campanhas estão activas e com que segmento como alvo — esta questão ganhou especial relevância online uma vez que as ferramentas disponíveis permitem segmentar anúncios até ao mais ínfimo detalhe, introduzindo assim informação em bolhas muito específicas.

“Nós amamo-la, precisamos dela e todos sentimos como está fodid*. Juntos podemos desfod*-la. Começa por escolher o único browser sem fins lucrativos que prioriza as pessoas”, escreve a Mozilla na apresentação de Unfck the internet.

O segundo ponto é mais básico, e recomenda-te que vejas o documentário The Social Dillema, algo de que já te falámos aqui e que aprofundámos um pouco mais aqui. Já o terceiro ponto volta às recomendações de produtos da Mozilla, sugerindo que uses o Container, uma funcionalidade do Firefox que isola o separador onde tiveres aberta a rede social impedindo qualquer recolha indevida de informações sobre os teus hábitos de navegação. Também o quarto se foca numa extensão da Mozilla, o RegretsReporter, que te permite denunciar qualquer recomnedação do Youtube que consideres perigosa ou desaconselhada.

O ponto 5 sugere que utilizes tecnologia independente mas oferece-te uma lista pouco extensa a que podíamos adicionar uma série de outras plataformas. Na lista surgem Jumbo, Signal, Pocket, Medium e ProntonMail, por respeitarem a privacidade dos utilizadores, ainda que em todos estes casos continuem a ser plataformas proprietárias, o que deixa a importante questão da descentralização fora do espectro de resolução da internet proposto pela Mozilla.

Por último, o guia pede-te que espalhes o amor, literalmente. Desafiam-te a partilhar este apelo para “desfod*r” a internet e geres o debate junto das tuas comunidades. Aqui no Shifter subscrevemos inteiramente este apelo, que de resto tem sido parte do nosso trabalho diário.

Aproveitamos para dizer que apoiar uma internet mais humana, é também apoiar projectos como o Shifter que dependem dos seus leitores para existir. Por isso, se acreditas numa internet melhor, considera apoiar-nos ou, pelo menos, mostrar o teu amor por nós. 

Investimos diariamente em artigos como este.
Precisamos do teu investimento para poder continuar.