Bandeiras alternativas para lembrar que reunificação significa diversidade

Uma agência de publicidade alemã criou um gerador de bandeiras que permite misturar símbolos e ícones para celebrar a diversidade, por ocasião do 30º aniversário da reunificação alemã.

Unity Flags, Heimat Berlin
 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Para celebrar os 30 anos da reunificação da Alemanha, a agência de publicidade Heimat Berlin juntou-se ao Partido Democrático Liberal (FDP) para criar um gerador de bandeiras que reflictam a identidade e a diversidade cultural do país.

A ferramenta online permite que os usuários criem novas versões das bandeiras originais de cada país, misturando outras bandeiras regionais, detalhes das bandeiras de outros países ou ícones como o arco-íris LGBTQ+, o punho do movimento Black Lives Matter ou a Estrela de Davi.

O diretor executivo do projecto, Tom Hauser, diz que o momento social actual parecia o mais acertado para reavaliar a bandeira, coincidindo com o aniversário da reunificação da Alemanha Oriental e Ocidental. Para o criativo, ainda que a data continue a ser vista com importância, foi perdendo significado para os mais jovens, conforme revelou numa entrevista à revista Creative Review. “Esta abordagem pretende dar ao dia uma nova relevância e actualizá-lo em termos de como a data se pode ligar à sociedade alemã – que também evoluiu nos últimos 30 anos”, disse, descrevendo a campanha como uma tentativa de criar “uma visão mais livre, de mente aberta e diversa da sociedade e do seu símbolo, a bandeira”.

A campanha das Unity Flags acabou por ser recebida em força nas redes sociais, iniciando conversas sobre identidade nacional e o sagrado da Bundesflagge“Nós nunca quisemos mudar a bandeira alemã, é mais uma manobra da marketing para dar um sinal de diversidade e abertura da sociedade alemã actual”, refere. Tendo em conta a história do país, a Heimat Berlim teve em conta o facto de o povo alemão carregar “um fardo um pouco mais forte do que outras nações”, no que diz respeito à aceitação do Outro. “Então, pensámos que era uma boa oportunidade para escolher a bandeira como um símbolo forte, abri-la e devolvê-la ao povo e ao público para que todos criem sua própria bandeira.”

No site do Partido Democrático Liberal (FDP) a mensagem de diversidade cultural da campanha vai mais longe. “Já não se trata apenas de Oriente e Ocidente. Trata-se de suecos e gregos. Alemães e hindus. Cristãos, ativistas, a comunidade LGBTQ + e muito mais. Somos todos iguais por meio da nossa Lei Básica alemã chamada Grundgesetz. É uma constituição de diversidade que trata todos da mesma forma, não importa de onde vens. Portanto, vamos comemorar o que realmente importa no 30º aniversário da Unidade Alemã: Abertura, diversidade e tolerância.” É que podes brincar com o gerador para criares a tua bandeira universal, um símbolo do mundo global como o conhecemos.

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!