Se 2020 fosse um jogo… não seria nada fácil

Agora, além das notícias diárias que nos relembram constantemente da dificuldade do ano que já acabou, chegou um jogo nem por isso menos difícil mas, pelo menos, muito mais divertido.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Será difícil esquecer 2020. Os acontecimentos que marcaram o ano e afectaram o mundo, de uma forma ou de outra, tornam difícil também manter qualquer lembrança positiva do fatídico ano. Agora, além das notícias diárias que nos relembram constantemente da dificuldade do ano que já acabou, chegou um jogo nem por isso menos difícil mas, pelo menos, muito mais divertido.

O 2020 Game começa com os fogos que assolaram a Austrália. Segue-se, obviamente, a Covid-19, o consequente crash da bolsa, a desvalorização do petróleo, as consequências da pandemia no ambiente, a massificação do Zoom e do TikTok, as cheias nos EUA, as teorias da conspiração envolvendo o 5G, não deixando de fora acontecimentos como a morte de George Floyd ou as mais recentes eleições presidenciais norte-americanas.

O jogo de plataforma gratuito foi criado por Max Garkavyy, pode ser jogado a partir do computador ou de dispositivos móveis, e oferece uma viagem cómica pelos factos mais trágicos do ano. Sempre em frente e saltando alguns obstáculos – tal como na vida real em 2020… -, a nossa personagem vai resgatando coalas nas florestas australianas, apanhando máscaras e rolos de papel higiénico, pulando entre carros de supermercado, tudo enquanto foge do vírus e dispara vacinas contra bolas de Covid-19, enquanto chovem blocos representativos do declínio das acções das big tech, ou corre lado a lado Donald Trump e Joe Biden na corrida ao Capitólio.

O entretenimento a imitar a vida, numa corrida contra os desastres que pressagia um 2021 tragicamente cómico.

O Shifter precisa de cerca de 1600 euros em contribuições mensais recorrentes para assegurar o salário aos seus 2 editores. O teu apoio é fundamental!