Revista portuguesa para a geração digital

Fundado em 2013, o Shifter é um órgão de comunicação social português, vocacionado para a geração digital, com a missão de acompanhar e compreender o presente para preparar com consciência o futuro.

Feito por uma equipa multifacetada, é alimentado pelo sonho comum destas pessoas de ocupar uma lacuna existente no mercado de jornalismo português e de, um dia, conseguirem viver daquilo de que mais gostam de fazer.

Ficha Técnica

Proprietário: Shifter Generation Lda
Gerente/detentor do capital social: Mário Rui Branco Correia Martins André

Sede fiscal: Estrada de Benfica, 701A; 1500-087 Lisboa, Portugal
N.º Contribuinte: 513786040

Director: João Gabriel Silva Ribeiro
Director adjunto: Mário Rui Branco Correia Martins André
Editor: Ana Rita Gregório de Almeida Pinto

Periodicidade: Diário
Sede de Redação: Estrada de Benfica, 701A; 1500-087 Lisboa, Portugal
N.º de Registo no ERC: 126 571

Telefone: +351 968 568 137
E-mail: geral@shifter.pt

 


Estatuto Editorial

1 – O Shifter é um órgão de comunicação social cooperativo, independente e criativo, que desenvolve a sua actividade na forma de estúdio editorial e de uma publicação periódica electrónica.

2 – O Shifter informa, reflecte e inspira com uma posição, procurando fomentar uma massa mais activa e participativa na sociedade. Pretende criar uma alternativa na comunicação social em português.

3 – O Shifter é uma plataforma para quem procura, mais do que notícias, novas ideias, assuntos e argumentos. Valoriza diferentes pontos de vista, estimula o pensamento crítico e inclui todos no debate.

4 – O Shifter cria e distribui conteúdo interessante, relevante e rigoroso. Aborda as questões complexas e os contextos marginalizados, e desmistifica o progresso tecnológico. Procura agitar o imaginário social, fazendo a ponte entre o especialismo e o senso comum. O Shifter não coloca interesses nem formatos à frente das ideias.

5 – O Shifter procura contribuir para a instituição de práticas em prol da comunidade, como a partilha em fonte de aberta (open source) de dados e de tecnologias. Acredita que a área da comunicação social, como outras, precisa de uma cultura que fomente a inovação e a criação de novos projectos, e quer contribuir para isso. O Shifter pretende envolver a comunidade e inovar na forma de criar.

6 – O conteúdo do Shifter deve ser ecológico: com respeito pelo ambiente em que se enquadra (social, cultural e político); relevante e assertivo (sem floreados nem secas); construtivo (cada artigo pode ser um princípio de outro); e honesto (sem clickbait, sem surfar hypes e sem cair nos temas populistas).

7 – O Shifter considera a sua acção um serviço de interesse público. O Shifter não responde a interesses económicos ou políticos; responde apenas por si e pela sua comunidade, recusando qualquer tipo de interferência ou de agenda partidária no seu trabalho.

8 – O Shifter segue o Código Deontológico do Jornalista, a Declaração Universal dos Direitos Humanos, a Carta dos Direitos Fundamentais da União Europeia e a Constituição da República Portuguesa. O Shifter compromete-se a agir em conformidade com as leis reguladoras da internet e dos órgãos de comunicação social, bem como a promover o respeito pela boa fé dos seus leitores.