Chegaram as Olimpíadas do Carbono. Que partidos ganham na redução do CO2?

Mais que uma plataforma de informação a pensar nas legislativas, o Olimpíadas do Carbono é um trabalho assinalável ao nível de design.

Foto via Shifter

Durante o último ano e com a aproximação às legislativas, o tema do clima foi entrando na agenda dos vários partidos candidatos nesta corrida eleitoral. Se o assunto podia não estar devidamente marcado na agenda mediática, a Cimeira de Acção Climática, organizada pelas Nações Unidas, que reuniu os principais líderes políticos mundiais em Nova Iorque, e a Greve Global pelo Clima, que paralisou milhões de jovens por todo o mundo, deram o empurrão que faltava na recta final e fizeram com que muitos eleitores virassem atenção para esta problemática.

Assim, em contexto de legislativas e no espírito de outros projectos que aqui fomos mencionando, um grupo de cidadãos montou o Olimpíadas do Carbono, uma plataforma online que põe os partidos com assento parlamentar na actual legislativa à prova no que toca às suas metas quanto à redução do CO2.“Quisemos perceber como é que os principais partidos políticos que se propõem a governar o nosso país se posicionam face à redução das emissões de CO2. Com base nas metas identificadas no Roteiro de Neutralidade Carbónica (RNC), preparámos três competições para pôr à prova os programas dos partidos face a esta questão urgente. Estes foram os principais resultados”, lê-se na 1ª página.

As provas principais são três: Maratona Anticarbono, Salto Em Altura e Tiro Ao Alvo. Todas elas envolveram a análise dos programas dos partidos e a sua desconstrução tendo em conta o RNC – um documento que um conjunto de especialistas elaborou para traçar o caminho da neutralidade carbónica para a economia portuguesa até 2050. No FAQ explicam em detalhe a metodologia utilizada.

Na Maratona Anticarbono, são analisadas que metas do RNC os partidos se propõem a alcançar nos seus programas; no Salto Em Altura, quantas medidas alinhadas com o RNC são propostas pelos partidos nos seus programas; e no Tiro Ao Alvo, as propostas eleitorais são postas à prova para se perceber quantos destes objectivos são quantificados e/ou se têm um horizonte temporal definido.

Existem ainda oito provas específicas adicionais, em que os programas dos partidos são esmiuçados à luz de oito temas-chave que o grupo identificou a partir do RNC, como ‘Energia’, ‘Mobilidade’ ou ‘Florestas’. O Olimpíadas do Carbono foi coordenado por dois investigadores: Luís Costa (mestrado em Engenharia Biomédica, consultor em avaliação de impacto social); e Susana Lavado (doutoramento em Psicologia Social, Investigadora de pós-doutoramento em ciência de dados). Os dados foram trabalhados por Hélder Delgado, Luís Costa, Pedro Brazuna, Ricardo Filipe, Sónia Cardoso, Susana Lavado e Viriato Afonso. Beatriz Granado, Mariana do Vale e Rita Gaspar desenharam. Pedro Carloto montou o website.

“Preocupados com a questão das alterações climáticas, um grupo de cidadãos decidiu analisar em detalhe o que os diferentes partidos para as próximas eleições propõem fazer para reduzir as emissões de dióxido de carbono em Portugal”, lê-se no FAQ. “O principal objectivo passa por tornar esta informação acessível e disponível a todos os interessados, de uma forma clara e sistemática. Procuramos dar uma visão comparativa sobre os programas, com a consciência que uma análise como esta tem sempre uma dimensão subjetiva associada às decisões tomadas. Esta análise não procura substituir a leitura atenta dos programas dos diferentes partidos, mas sim contribuir para que a decisão sobre quem votar seja feita de forma mais informada.” A equipa explica que apenas deram atenção aos seis partidos com assento parlamentar na actual legislativa por limitações de recursos e de tempo: “demos prioridade a ter duas pessoas a analisar cada programa eleitoral, para reduzir a subjetividade da análise”, explicam.

Mais que uma plataforma de informação, o Olimpíadas do Carbono é um trabalho assinalável ao nível de design, e junta-se a outras iniciativas da sociedade civil que surgiram no contexto das legislativas – nomeadamente o Legislativas2019.com, o Falta de Educação e o Política Para Todos.