Porque é urgente apoiar o Shifter? Para evitar o nosso fim

O Shifter precisa de 1600 euros por mês dos seus apoiantes. Sem esse valor, o Shifter, como o conheces, termina no final de Dezembro deste ano.

 
O Shifter precisa de dinheiro para sobreviver.
Se achas importante o que fazemos, contribui aqui.

Há 7 anos iniciámos este projecto que até hoje continuamos por acreditar no valor do que fazemos. O nosso produto foi mudando – para melhor, cremos – e estamos seguros da nossa importância do panorama mediático português. Oferecendo informação de qualidade sobre assuntos marginais, novas perspectivas críticas sobre o universo tecnológico e uma curadoria de cultura em relação com o presente, sabemos que o que fazemos é singular.

Contudo, as receitas de que actualmente dispomos não nos permitem continuar por muito mais tempo. Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro.

Este ano comprometemo-nos com o Shifter como nunca; decidimos que seria o ano de atingir um patamar sólido de sustentabilidade ou desistir do projecto, que já exigiu tantos sacrifícios pessoais e que foi sendo construído com a vontade de todos os que por cá passaram e o apoio dos leitores. Tentámos melhorar a cada dia, por isso melhorámos a linha editorial, aperfeiçoámos o aspecto do site e lançámos novos produtos exclusivos como o Podcast, as Notas e a revista impressa. No entanto, chegados a este final do ano, o balanço das receitas não é positivo.

Estamos habituados a fazer muito com pouco e, temos conseguido tirar o salário mínimo nacional na maioria dos meses mas o futuro não está assegurado. O nosso orçamento é pequeno mas a estagnação das receitas ameaça a continuidade do projecto. 

Ao apoio de cerca de 600 euros que recebemos das vossas contribuições, juntamos mensalmente cerca de 400 euros que fazemos de receita publicitária e algumas outras verbas de projectos, como desenvolvimento web, que fizemos através do nosso braço comercial, o Shifter X. Para além disso, este ano, recebemos a módica quantia de 5 mil dólares num apoio emergencial da Google que nos deu alguma folga.

Neste artigo, queremos honestamente e sem sensacionalismo que percebas o quão importante é o teu apoio no Shifter. Sem ele estamos em vias de terminar.

O Shifter, actualmente, precisa de cerca de 1600 euros/mês dos seus patronos. Um orçamento baixo se olharmos para valores de outros órgãos de comunicação social idênticos ao nosso, mas que para nós garantiria o trabalho diário e o necessário para continuarmos a trazer-te conteúdo sempre actual e relevante. 

No Patreon, colocámos a meta 4000 euros/mês, valor que permitiria a evolução do projecto com a remuneração justa de todos os que colaboram, mas, como os tempos são excepcionais, definimos escalões para os nossos objetivos de modo a que percebas as nossas necessidades imediatas:

  • 800 €/mês: alcançando este valor, fica garantido o salário mensal de 1 pessoa.
  • 1600 €/mês: neste patamar asseguramos o salário aos 2 editores do Shifter, que acumulam funções de gestão e jornalismo.
  • 2400 €/mês: conseguimos ter uma terceira pessoa connosco para assegurar questões operacionais que libertem os nossos jornalistas que actualmente as desempenham.
  • 3200 €/mês: garantimos as despesas correntes do projecto e asseguramos a continuidade sem precalços;
  • 4000 €/mês: o Shifter é sustentável financeiramente, conseguindo assegurar 3 salários base a 3 pessoas, renumerar os seus colaboradores por cada um dos seus artigos e investir no seu crescimento sólido e sustentável.

Como nos podes ajudar a continuar?

Se valorizas o Shifter, podes ajudar-nos de três formas:

  • apoia-nos no Patreon. As contribuições podem ser feitas a partir de 2 €/mês e ganhas acesso a uma variedade de conteúdos exclusivos. Se um terço das pessoas que nos seguem no Instagram fizesse isso, o Shifter já seria sustentável;
  • faz um donativo no valor que entenderes ao Shifter (mínimo de 15 €) ou compra os nossos autocolantes na loja (por 5 €);
  • partilha o Shifter com os teus amigos. Faz uma publicação nas redes sociais, manda um e-mail à tua turma, equipa ou grupo de amigos, fala de nós aos teus amigos, tu saberás melhor que nós quem pode gostar do que fazemos. Acreditamos existirem muitas pessoas que não conhecem o Shifter ainda mas que podem gostar de conhecê-lo. 

Actualmente usamos todos os meios que temos para monetizar o nosso site e garantir a sua operação, como a publicidade e a venda de serviços. Fazemo-lo porque acreditamos que estas formas de receita indirecta são a melhor forma de manter o nosso jornalismo completamente livre, focado no leitor e, mais importante, sem depender de terceiros que legitimem o nosso trabalho em prol da sua visão.

Acreditamos que um modelo baseado no leitor é a melhor forma de garantir a continuidade do projecto – e actualmente cerca de 40% das nossas receitas mensais são apoios directos ou fruto da venda da revista. Desde que lançámos a opção de contribuições, estas não têm parado de crescer, mas a receita está longe da meta de 1600 euros/mês. E sem esse valor, o Shifter acaba.

O Shifter não tem investidores nem financiadores externos, nasceu como um media comunitário e é na comunidade que quer encontrar a sua legitimação. Queremos ser independentes e autónomos conseguindo a sobrevivência pelos nossos próprios meios.

Ao todo, mensalmente, recebemos cerca de 1000 euros/mês, entre contribuições do Patreon e receitas publicitárias. Estamos longe de ser sustentáveis e perto do fim anunciado, se não conseguirmos aumentar as contribuições.

Explicamos-te como investimos esses valores:

  • salários: o Shifter tem três pessoas a full time que recebem o salário mínimo nacional. O director, jornalista e designer do Shifter, João Ribeiro, a editora, jornalista e gestora de redes sociais, Rita Pinto, e o jornalista e responsável de produção e contabilidade, Mário Rui André;
  • obrigações fiscais: além de contabilidade organizada (que implica pagar mensalmente a um contabilista), temos também de pagar Segurança Social, e a cada trimestre IVA e IRC;
  • custos fixos: os nossos parceiros WebHS, Egoi e Swonkie ajudam-nos MUITO nesta parte, com ofertas de serviços de alojamento, envio de newsletters e gestão de redes sociais. No entanto há alguns custos fixos que ainda não conseguimos mitigar, como o software de facturação renovado anualmente para podermos emitir todas as facturas, o servidor onde alojamento o nosso serviço interno de e-mail e uma mensalidade para a nossa morada fiscal – abdicamos recentemente da redação física;
  • colaborações: no Shifter somos três mas não estamos sozinhos e queremos remunerar quem colabora connosco pagando por cada artigo, reportagem, ilustração. Esta é uma das questões que mais nos faz ponderar o futuro.

Conhece melhor a saúde financeira do Shifter nesta página.

Se já és apoiante do projecto, obrigado por acreditares em nós!

João Ribeiro, Rita Pinto, Mário Rui André

Se não conseguirmos aumentar o número de patronos, a 2ª edição da revista será a última, e o Shifter como o conheces terminará no final de Dezembro. O teu apoio é fundamental!