Resumo do Football Leaks editado em português

O livro lançado no ano passado por Rafael Bushman, um dos jornalistas da Der Spiegel responsáveis pela cobertura do caso, vai estar agora disponível traduzido em português.

football leaks

Foi em 2016 que as primeiras informações confidenciais sobre o mundo do futebol começaram a vir a público. Primeiro foi em programas de debate desportivo em português com a revelação de contratos de alguns atletas a actuar em Portugal; mas rapidamente o caso ganhou dimensão mundial e desaparecera da antena nacional. Foi na revista de investigação alemã Der Spiegel que as reportagens de fundo e as análises detalhadas de documentos até então secretas começaram a revelar alguns podres do mundo do futebol. Estávamos perante um único fenómeno, o Football Leaks, ainda que as pontas fossem difíceis de ligar até por falta de informação de qualidade em português.

O caso tornou-se mais simples nos últimos tempos, bem como um tema central na imprensa portuguesa. Primeiro começou a ouvir-se falar do nome Rui Pinto, ainda que sem certezas; depois, o avançar do processo da Doyen Sports sobre uma alegada tentativa de chantagem por si feita deitou por terra todas as dúvidas, ao fazer a polícia portuguesa emitir um mandato que resultaria na detenção de Rui Pinto, na Hungria. O ‘John’ das peças de investigação levadas a cabo pelo Consórcio de Investigação Europeu, encabeçado pela Der Spiegel, era mesmo o português Rui Pinto e muito mais do que o hacker do Benfica, como tinha vindo a ser chamado, o jovem funcionou como whistleblower de um escândalo de proporções mundiais ao revelar práticas ilícitas no mundo do futebol.

Com o processo longe de estar terminado e ainda com muita informação por ser revelada, como o próprio garantiu em entrevista após a sua detenção, o Football Leaks já se tornou num marco histórico no futebol mundial. Foi desta revelação que resultaram casos como a multa do fisco espanhol a Cristiano Ronaldo ou a José Mourinho pelo seu desvio de fundos para contas em offshores e outras descobertas como os esquemas ardilosos de Manchester CityMónaco, as ligações entre Jorge Mendes e bilionários chineses e até o alegado abuso sexual de Ronaldo a Kathryn Mayorga.

Na sequência do trabalho editorial feito para a revista Der Spiegel, um dos jornalistas responsáveis pela cobertura do caso, decidiu condensar toda a informação num outro formato e lançara a meio do ano passado o livro que resume até aqui toda a investigação em torno do Football Leaks. Rafael Bushman, com a colaboração de Marcel Wulzinger, reuniu em livro algumas das linhas de investigação que despoletaram  do compêndio de documentos revelados por John. O trabalho foi editado em Maio de 2018 mas só esta terça-feira chegará às bancas nacionais, numa edição da Planeta Editora — um dos capítulos foi aqui revelado pelo Expresso.

A edição deste livro pode ajudar a re-focar a discussão em torno do caso de Rui Pinto, enquadrando-a de uma forma mais abstrata e afastando-a de preconceitos como o acima referido de ser motivado por preferências clubísticas ou de ter atacado especialmente um clube, facto que se demonstra nas dezenas de clubes mencionados pelas investigações até agora reveladas. De acrescentar que para além do trabalho de investigação editorial, o Football Leaks e os seus delatores — até agora só é público o nome de Rui Pinto, mas podem haver outros — têm vindo a ser considerados como potencial fonte de informação para autoridades judiciais e tributárias de vários países como Espanha, França e Suíça, tendo inclusive colaborado proximamente com algumas destas entidades, embora não seja possível determinar com clareza quais e em que medida, dado o secretismo de todo o processo.